sexta-feira, 20 de maio de 2011

Ele pede a palavra

As vezes me pego fazendo de novo esta mesma pergunta: O que é que você quer de mim? E logo em seguida, assim em seguida mesmo, eu me faço a segunda pergunta: Por quê você tem sempre que querer algo por mim ou para mim?

Não basta querer para você como eu sei que você já quer? Tem que querer para mim também?

Não consigo entender isso. Você já foi tão longe, as vezes acho que você está anos luz à minha frente. Você sonha, você realiza, você faz, você acontece. Parece que a palavra movimento mora em você.

Você ouve, lê, traduz e distribui tão rapidamente que eu tenho dificuldade de acompanhar o seu ritmo. Às vezes, tenho vergonha de te dizer que estou querendo fazer algo, porque você está sempre querendo fazer milhares de algos.

Faço tudo para que você não perceba este meu descompasso, mas você insiste comigo para que eu tenha o seu ritmo.

Me deixe aqui, no meu caminhar tranquilo, no meu ritmo bossa nova. Eu adoro ver você à mil. Te juro, acho isso o máximo. Eu também vou chegar lá, do meu jeito.

No começo, eu confesso,  tentei podar as suas asas pra você não voar mais. Mas você sempre dava um jeito de voar de novo. Hoje não faço mais isso, estou aprendendo a apreciar o seu voo. Quanta elegância, quanta destreza. Você consegue escolher o melhor vento, atingir a melhor velocidade, descansar nas melhores copas e ainda dar um rasante vez por outra. Isso me deixa orgulhoso.

Não é fácil pra mim compreender,  em tão pouco tempo, que você não é nada daquilo que me ensinaram a vida toda;  daquilo que eu sempre achei que a minha vó, a minha mãe e as minhas tias eram. Ninguém me avisou que os modelos dos manuais, só existiam nos manuais.

Você não ultrapassou só os seus limites. Você ultrapassou os meus, os de uma sociedade inteira, os de uma nação. E como eu te admiro por isso.

Mas não posso continuar essa briga insana que travo comigo na tentativa de te acompanhar. Eu precisei parar agora,  para te dizer que é muito bom construir o ninho com você voarmos juntos de vez em quando, sonharmos juntos e construir nossos sonhos.

Você conseguiu se transformar em gaivota, que ótimo, vá em frente; mas permita e respeite o fato de eu ser apenas um bem-te-vi. Um feliz bem-te-vi.

Leila Rodrigues

2 comentários:

  1. Maravilha... Não me canso de ler esse texto, Leila! Lindo, lindo, lindo!

    ResponderExcluir
  2. Concordo com a Julia. Não me canso... Maravilhoso!!!!! Parabens Leila.

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço