sábado, 20 de janeiro de 2018

Não te demores


Correr é parte do nossa rotina. Todos nós corremos! Corremos para não chegar atrasado na reunião, corremos para pegar o banco aberto, para pegar aquela vaga estratégica, para bater a meta, para colocar a comida na mesa, para atender todos os clientes e todas as nossas necessidades insanas.
Corremos para o que queremos e corremos do que não queremos. Enfim, é uma correria só!
Acho perfeita a frase de Eleonora Duse, “onde não puderes amar, não te demores”. Fazemos isso sem perceber o tempo todo. Corremos de tudo que não nos interessa ou não nos atrai. Corremos do vendedor de seguro, corremos daquela pessoa que é lenta para contar um caso, corremos da tia que quer contar como foi a viagem, corremos das reuniões cansativas, corremos descaradamente do trabalho chato.
Mas a gente não corre o tempo todo. Há momentos em que não aceleramos. Há situações em que deixamos o tempo acontecer como tem que ser.
E então eu pergunto, onde mesmo nós demoramos? Em quê ou em quem temos tempo?
Eu demoro em gente que é inteligente sem ser soberana. Demoro em quem me recebe com um sorriso. Demoro com meu pai e minha mãe, não me canso de olhar para eles e ver tanta sabedoria! Demoro com o que é ingênuo, genuíno, sem segundas ou terceiras intenções.
Demoro com um bom livro, com um café coado na hora, com uma amiga querida ou com o moço do açougue que me ensinou como fazer cupim.
Eu ainda tenho  muito que aprender sobre demorar e correr. Gostaria de demorar ainda mais com meus filhos, com meus pais, com meu cachorro e com as minhas plantas. Por enquanto, ainda estou muito ocupada correndo atrás da meta, correndo para dar conta de tudo, correndo para que tudo fique no seu devido lugar.
Transito entre correr e demorar. Um dia aprendo a dividir o tempo de um jeito que não precise mais correr tanto para conseguir demorar um pouquinho mais naquilo que me faz feliz.
Gosto de demorar com quem não faz julgamento, com quem tem ouvidos entre uma respiração e outra. Geralmente demoro com quem está me vendo de verdade; com quem me enxerga além do meu sobrenome, da minha função, do meu CPF ou das minhas vestes. Demoro com quem não sabe nada de mim e ainda assim me dá atenção. Essas pessoas me agregam e me fazem uma pessoa melhor.
Ademais eu corro. Corro porque o tempo é curto para dividir com o que não nos tira do lugar.

Leila Rodrigues


Publicado no Jornal Agora e no JC Arcos
Foto: eu e minha amiga Simone Fernandes, uma pessoa que eu “demoro” com prazer


Olá pessoal,

Com o objetivo de facilitar para os leitores, a partir de hoje as postagens do blog também estarão nas minhas redes sociais.
Facebook Leila Rodrigues
Instagran leilamro18
Google+ Leila Rodrigues
O blog continua em respeito àqueles que não usam redes sociais e preferem acessar por aqui. Peço desculpas pela demora nas postagens, tivemos problemas com o aplicativo. 
Obrigada pelo seu tempo aqui no Palavras. Foi com a sua visita que chegamos a 200.000 visitantes. Volte sempre que quiser. Se gostou, ajude-nos a divulgar.


Grande abraço e boa leitura.


Leila Rodrigues

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Bem-vindo à realidade!


Bem-vindo à realidade

E daí que você não ganhou na Mega-Sena da virada? Você também não acordou em 02 de janeiro mais magro, mais inteligente ou menos endividado! O dia começou como outro qualquer.  E aí você fica em dúvida se é realmente um novo momento ou se continua tudo a mesma coisa? Você não é o primeiro, nem será o último a duvidar. Acontece com todos nós mortais! Na verdade, você apenas acordou um pouco mais determinado a fazer aquelas coisas que você prometeu na noite de réveillon. Só um pouco. Nada de esplêndido nisso. 
Se parar para pensar, você também não teve nenhuma ideia fantástica que tenha entrado para a história, nem inventou um produto revolucionário para o mercado e muito menos criou uma frase de efeito que tenha virado um meme. É! Dá para concluir que você não nasceu para a fama! Nem você, nem 99,9% da população. Fica triste não! 
E quem foi que disse que é preciso ser famoso, rico ou importante para ser feliz? Mesmo porquê, nós sabemos, eu e você, que nenhum desses subterfúgios são, de fato, sinônimos isolados de felicidade. 
A pessoa que nasceu para ser feliz não precisa de nada disso! Ela é feliz e pronto! Quem veio a este mundo para ser feliz, é feliz pegando o ônibus lotado toda manhã, é feliz morando no Sertão da Paraíba,  no subúrbio de Pequim ou na Vila Constantina. Isso é tão fantástico que causa um estranhamento nos demais. O sujeito é feliz ganhando pouco, com pouca saúde, sozinho, pagando boleto, varrendo rua ou entregando panfleto. E nada nem ninguém tira isso dessas pessoas. 
Porque infeliz mesmo é aquele que coloca alguma condição para ser feliz. Quando eu comprar minha casa eu serei feliz, quando eu for promovido eu serei feliz, quando meu time for campeão... Mentira! Esses pobres de espírito não serão felizes nunca! Tão logo uma pessoa dessa compre a casa ou seja promovido, ela vai inventar outro subterfúgio para ancorar a infelicidade dela! E esta, de verdade, é uma pessoa pobre! Um coitado no verdadeiro sentido da palavra!
Chame de desafio, de problema, de obstáculo, do que você quiser os entraves do seu caminho. Só não os use como desculpa para a sua infelicidade crônica. Certas doenças não têm cura, têm justificativa. 
E agora trate de correr atrás do que vale a pena para você, porque foi para isso que você veio ao mundo! 
Já é 2018. Bem-vindo à realidade! 

Leila Rodrigues

Publicado no Jornal Agora e no JC Arcos

Olá pessoal

Muita gente começa o ano de férias. Neste momento nossas praias estão lotadas de gente! Que ótimo! O descanso e a diversão são essenciais para a vida. Mas, para aqueles que como eu o ano começou no dia 02, aqui estamos nós, trabalhando, colocando em prática o que foi planejado. 
Sonhar é bom, mas viver é muito melhor!!! 
Bem-vindo à realidade!!

Grande abraço



Leila Rodrigues

sábado, 30 de dezembro de 2017

O caos e a fé



No trabalho o mês de dezembro é uma insanidade só. Meta para bater, comércio desesperado para vender, exercício para fechar. Onde tem um cliente interessado, lá estão nossos esforços e expectativas. Um corre corre desenfreado para darmos conta de tudo que nos propusemos fazer. Os dias  são pequenos para atender todas as demandas e não esquece que à noite tem confraternização da turma do alguma coisa. Turma da academia, turma do trabalho, do colégio, do vôlei, turma da pós, turma do bordado... turma. Então esquece o cansaço, passa no supermercado lotado para comprar a bebida e vai!
Recebe o 13o., paga conta, Av. Primeiro de Junho lotada, Rua Goiás idem  e mais tarde tem outra confraternização. Adianta as comidas do Natal, refaz a lista, aumenta gente, pensa na mesa, o supermercado continua lotado, vai longe achar um presente mais em conta, decora a casa, hoje é dia de formatura. Ufa!!!! Dezembro é pequeno demais para tanta confraternização! Lá se vão dieta, qualidade de vida, 8 horas de sono, projeto verão, meses de investimento em nutri, dieta low carb, tudo para o próximo ano. Perderam para os abraços, para os encontros, para as lágrimas de emoção, para os “amigo oculto”, para os fechamentos deste ciclo matemático que chamamos de ano. Mexe mais conosco do que podemos imaginar! Na cabeça, em meio ao caos de entregar tudo, de fechar tudo... já se enxerga uma luz no início do próximo Túnel. Lá vem ele! Inocente, ressabiado, sem entender direito o porquê de tantas promessas,  tanto estardalhaço se tudo é apenas um dia após o outro. Fica tranquilo Senhor 2018! Não é nada pessoal! É apenas a nossa estranha mania de ter fé na vida! 
Humanos precisam de fé. Fé em Deus, fé no outro, fé no próximo, fé no novo, fé em alguma coisa que dê sentido à nossa existência. Precisamos do novo para renovar alguma coisa em nós que, às vezes, nem nós sabemos exatamente o que é; mas sabemos que é preciso. Que venham os abraços, os pedidos, os desejos, as promessas, os propósitos, as luzes no início desse túnel novo. 
Se vamos cumprir? Aí é outra conversa. Mas enquanto estivermos por aqui é sinal de que alguma missão ainda precisa ser cumprida e renovar a fé é uma forma de dizer a nós mesmos que a missão continua ou melhor dizendo, que continuamos na missão.  
Eu como bom soldado, estou sempre à disposição! 
Que venha 2018!

Leila Rodrigues

Imagem da Internet
Publicado no JC Arcos


Olá pessoal,

sem clichês, sem palavras mágicas, sem promessas que não serão cumpridas… Aí vem um novo ano, que só terá chances de ser novo se renovarmos alguma coisa em nós. 
Que consigamos encontrar bons motivos para querer renovar, disposição para tomarmos as atitudes e sobretudo resiliência para não desanimarmos no caminho. E sendo assim, que ao final de 2018 possamos nos encontrar novamente para falar das novas conquistas que tivemos em 2018.

Grande abraço
Um 2018 de paz, alegria e boas energias para todos nós!

Leila Rodrigues


domingo, 24 de dezembro de 2017

O Natal dela


O Natal dela

Era dezembro. E como sempre ela abria a gaveta e tirava de lá a bolsinha florida onde guardava suas economias. Dinheirinho enrolado, juntado ao longo do ano, nota por nota, centavo por centavo. Era dali que saíam as lembranças para cada um da família. Os filhos, genros, noras e netos. Na sua modesta lista entravam também a lavadeira, a costureira, a vizinha, a colega do terço e aquela família necessitada. Até hoje me pergunto como é que pode um coração caber tanta gente assim? 
Para os homens da família ela tinha a mania de presentear com o famoso “corte de calça”, mas quando o dinheiro era curto, a boa e tradicional meia resolvia tudo.  Para as mulheres ela diversificava um pouco mais e quando o assunto eram os netos, aí ela caprichava. Sabia o que cada um gostava e sempre dava um jeito de achar alguma coisa interessante. Foi dela que ganhei um biloquê e meu irmão ganhou o carrinho de rolimã que ele tanto queria. Confesso que eu e meus irmãos, como netos que moravam com ela, tínhamos alguns privilégios. Mas ela tinha um olhar e uma preocupação com cada um dos seus 23 netos. 
E quando o dinheiro faltava ela plantava mudas de rosas no saquinho bem antes do Natal. Cuidava religiosamente das mudas como se fossem bebês e presenteava as pessoas com a pequena roseira. 
Além dos presentes, tinha um cuidado especial com as comidas. Ela ia longe buscar o melhor queijo para os primos que vinham de fora. O melhor doce, o leite mais puro, o melhor frango caipira. Ela mesma fazia os doces complicados. Figo, laranja da terra e pé-de-moleque, sua especialidade. Só mais tarde fui entender que aquilo era amor em forma de alimento. 
Minha avó Quinha, quanta saudade! O Natal não é Natal sem as avós. Ninguém é mais feliz que elas neste dia! 
Vó, era por você que a gente se reunia. Era a sua volta que toda aquela festa acontecia! O Tio Roberto cantando, os amigos de todos os cantos da cidade que tradicionalmente passavam  pela sua casa na noite de Natal e o seu perfume de lavanda inesquecível. Sinto saudade do cheiro da sua casa, do leitão assando e daquela correria da meninada no meio da chuva de dezembro. Sinto até hoje o seu amor por todos nós... 
E toda vez que chega dezembro, eu imagino que, em algum lugar, tem uma avó feliz e realizada com a família a sua volta, como você foi um dia! 
Vó, enquanto eu viver, todo Natal será dedicado a você! 

Leila Rodrigues

Publicado no Jornal Agora e no JC Arcos
Imagem da Internet


Olá pessoal,

independente da sua crença, do fato de você ser Cristão ou não, eu desejo a você boas festas, muitos abraços, muitos sorrisos e se for possível, faça uma avó feliz!

Grande abraço


Leila Rodrigues

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Confraternisap



08:10 - Celinho: Gente, festa de confraternização do grupo dia 18 na casa da Gisele  19:00. Confirmar presença aqui no grupo levar bebida salgado acompanhante. O músico será dividido no dia. 

08:25 - Amanda: Dia 18? Desse mês? 

08:30 - Rogéria: Não. De 2018 kkkkkk

08:49 - Celinho: <iniciando o exercício zen budista da paciência> 18/12/2017 quinta-feira próxima Amanda. Conto com você! 

08:50 - Amanda: Posso não. Tenho academia.

08:53- Lucilia: Pode levar fritura? E glúten? E comida com lactose? Só sei fazer comida gorda. Pode.

08:56 - Celina: É para ir ir chique? Pode ir de rasteirinha? E escova no cabelo? Vai jogar as pessoas na piscina? Se for, adeus escova.

09:01 - Nivaldo: Pode levar ficante? 

09:08 - Milene: <posta uma foto do cachorro dela que deu cria>

09:10 - Celinho: Pessoal pode levar a comida que achar melhor. Até a 5a cerveja garanto que ninguém vai jogar ninguém na piscina, depois disso não posso garantir.

09:14 - Juju: Se vai cair na piscina então vou ter que comprar biquini, depilar, deixar tudo nos trinques… alguém sabe de alguma promoção de biquini? 

09:16 - Cesar: <posta um vídeo de um bêbado tentando atravessar a rua>

09:25 - Aline: Pessoal posso chegar às 23:00? Tenho outra festa.

09:38 - Amanda: Que lindo!! Como chama?

09:53 - Celina: Juju sua linda, seu biquíni preto é mara!!!! Vai com ele.

10:02 - Elisa: Gente vamos assinar a petição para acabar com a corrupção no Brasil. A hora é agora! Assinem! Repassem para seus grupos! 

10:10 - Telma: desde que você leve a sua bebida, sem problemas. 

10:25 - Nivaldo: <respondendo Amanda> Minha ficante? Não posso falar por enquanto.

10:30 - Amanda: <respondendo Nivaldo> Perguntei da cachorra da Milene.

10:42 - Ronaldo: Alguém vai tomar vinho? E cachaça, vodca, cerveja? E água? Quem vai levar? 

11:00 - Celinho <todo educado> Pessoal vamos focar na festa por favor

11:03 - Meire - Posso levar meu sobrinho? Ele é adolescente mas prometeu ficar calado.

12:01 - Celinho - Pode levar namorado, ficante, transeunte, menos amante porque pode complicar para a pessoa. 

12:52 - Vai ter música sertaneja? Quem é o músico? Vai ter pista de dança? Vou convidar o João Lucas.

12:55 - Lívia - João Lucas vai? Mas ele não é do grupo. Posso chamar a Pri? 

14:00 - Vítor - Estou em Joinville, chego no dia às 18:00 em Confins. Vou direto, pago tudo depois.

15:59- Dina - Nossa mais tem que levar bebida, comida, presente de amigo oculto e ainda pagar? Que absurdo!

16:00 - Nilza - Eu também acho um absurdo esse consumismo alienado. Tô fora!

16:09 - Cleber - Tb to fora. Vamos encontrar em um barzinho que fica melhor.

16:10 - Mateus -  Barzinho? Onde? Que dia?

16:40- Cinara - Uai!!! A festa não era na casa da Amanda? Já mudou para barzinho? A nem! Ninguém avisa nada. 

17:00 - Celinho saiu do grupo. 


Leila Rodrigues


Olá pessoal

este é o primeiro texto da série “Realidades" que vem por aí. Novos tempos, novas tecnologias e novas situações. Quem poderia imaginar que um dia organizaríamos uma festa sem sair do lugar? Ou que poderíamos acompanhar em tempo real, pelo celular, um acontecimento do outro lado do mundo? Realidades vai tratar desses fatos. Das realidades e confusões dos nossos dias, das nossas trapalhadas com o mundo virtual.
Por mais que a tecnologia ajude, o ser humano continua confundindo tudo!!!! 
Divirtam-se!

Grande abraço

Leila Rodrigues

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Desencontros


Ele queria silêncio, ela queria falar. Ele tinha pressa, ela tinha fome. Um esperava que o outro fizesse, o outro esperava que o "um" dissesse. E cada um sofria em seu canto as expectativas frustradas pelo outro. 
Nascemos para nos comunicar. Passamos a vida inteira aprendendo a nos comunicar. Cursos, palestras e livros sobre comunicação assumem o topo das demandas. Tenta de um jeito, recomeça de outro, muda uma coisa aqui, descobre outro jeito ali e ainda assim, depois de tantos reajustes para melhorar a comunicação nos deparamos com os problemas na hora de nos comunicarmos. Pode ser com um filho, com o parceiro, com um amigo, com o colega de trabalho, o sócio, o cliente enfim, com qualquer pessoa. 
É que o espaço entre o que um fala e o outro ouve é infinito! E muitas vezes vira abismo. Vira discórdia, vira desencanto, vira fim. Que pena! O campo das intenções e o das interpretações não se entendem. 
Desencontros, desafetos, desacordos... desfechos. Desencontros que acontecem com todos nós e que podem mudar para sempre o curso da nossa história. 
Partindo do princípio de que são todos seres da mesma espécie e que são todos homens de boa vontade, não deveria ser mais fácil? Penso que sim! O que dificulta é que queremos que o outro fale a nossa língua, compreenda nossas vírgulas; enquanto do lado de lá o outro espera que interpretemos seus hiatos. E mais uma vez intenções e interpretações não se entendem... 
Aproveitando a deixa muitos optam pelo silêncio, pela distância, pelo “cada um por si e Deus por todos”, pelo celular, pelas relações que dispensam a alma. É tudo tão efêmero, tão líquido que facilmente escorre pelos dedos. Relações que com a água de um banho quente vão para o ralo. Simples assim! Relações que não agregam, não preenchem nem desafiam. Apenas coexistem em seus mundos equidistantes. 
Independentemente se você escolheu uma relação assim ou se você apenas se escondeu do confronto, em alguém momento nos cansamos dos vazios providenciais e voltamos nossos olhos para aqueles que são realmente importantes para nós. Neste momento, não há nada a ser dito, nada a pedir, nada a esclarecer. 
Gastamos tanta energia aprendendo a falar, debatemos e defendemos tanto nossas falas... para descobrir que ninguém melhor que o silêncio para dizer e ouvir tudo que é preciso. 

Leila Rodrigues

Publicado no Jornal Agora e no JC Arcos
Imagem da Internet


Olá pessoal,

Me entristece ver os desencontros acontecerem, principalmente quando envolvem pessoas queridas. Nessas horas eu gostaria de ter uma varinha de condão para sair transformando os desafetos em harmonia com um toque de mágica. Mas eu já sei que as lições acontecem na medida e no momento de cada um. 
Me resta torcer para que os reencontros aconteçam, que sejam maravilhosos e transformadores na vida das pessoas. E se não acontecerem… em cada canto há um novo encanto.

Grande abraço

Leila Rodrigues


sábado, 11 de novembro de 2017

Gosto não se discute



Eu sempre achei a arte um negócio muito interessante. Acho incrível como o artista transforma tudo em algo bonito, novo, moderno, repaginado. Também gosto de música e de  cozinhar. Mas não faço questão nenhuma dos meus amigos gostarem de arte, de música ou de  cozinha. Nunca tive problemas com quem pensa diferente de mim. Tenho alguns amigos que só vestem camiseta preta e outros que gostam de meditar. Gosto do gosto deles porque combina com eles. 
Eu tenho amigo jovem,  eu tenho amigo negro, eu tenho amigo velho, eu tenho amigo que trabalha demais e tenho amigo que não faz nada na vida. Eu também tenho amigo branco, eu tenho amigo gay, eu tenho amigo doutor, escritor, cabeleireiro, ceramista, aposentado, separado e recém-casado. 
Ah e tenho amigo que nunca vi, amigo que é meu vizinho, amigo pai de família, amigo de todo jeito. 
E todos eles têm algo em comum. Eles são autênticos! Eles são o que são e é exatamente isso que me fascina. Eles gostam da vida, gostam de viver. Alguns gostam de cantar e quando estamos juntos, cantamos juntos. Outros gostam de uma boa prosa e quando estamos juntos o tempo é sempre curto para tantas falas. E tem aqueles que a sintonia é tão grande que nem precisamos estar juntos para sabermos que nos queremos bem. 
Eu gosto mesmo é de gente de verdade. Gente que ri, que chora, que se esfola todo de vez em quando. Gente que tenta, que vai, que se arrepende, que manifesta, que declara seu amor e chora sua dor sem se fazer maior ou menor. Gosto de gente que me empurra, que me tira do lugar comum, que me questiona, que reclama de mim para mim,  que me desafia, que pensa diferente, que me transforma e me faz ver as coisas sob um outro ângulo.
Gosto de gente que envelhece, que pede licença, que sabe rir de si e que não tem vergonha de chorar. Gosto de gente sem rótulo, aqueles que eu tenho que conversar muito para conhecer seu conteúdo, sua essência. Gosto de gente que funciona quando a luz acaba, quando a comida esfria ou quando a dor me invade. Gosto de gente que não ensaia, que derrapa de vez em quando e que me deixa ser quem eu sou. Gosto de gente que gosta de gente, que abraça de verdade, que se alegra com a alegria dos outros, que não tem vergonha de amar. E para finalizar, gosto de gente que não se dá conta do tamanho que têm! Esses são os melhores! 
É disso que eu gosto! E tenho dito! 

Leila Rodrigues

Publicado  no Jornal Agora Divinópolis e no JC Arcos
Imagem da Internet - Jiló - amado por uns, odiado por outros

Olá pessoal,

De vez em quando é preciso ter muito claro o que gostamos e o que não gostamos. Até mesmo para sabermos discernir uma coisa da outra. O discernimento precede decisões mais assertivas. Hoje foi dia de relembrar do que eu realmente gosto.
Peço desculpas pela falta de postagem na semana passada, estive fora mas já estou de volta.
Tenho recebido alguns feedbacks dos leitores, o que me deixa muito feliz. Pessoas que eu encontro nas ruas, alguns que procuram o Jornal e pedem meu contato ou até mesmo nas redes sociais. 
Obrigada a todos! Vocês me motivam a querer escrever cada vez mais. 

Grande abraço


Leila Rodrigues

domingo, 29 de outubro de 2017

Notícias Tupiniquim


E para você que se foi, que escapou deste para um país aparentemente ou verdadeiramente melhor, aqui vão as notícias do nosso amado e idolatrado país. Te adianto que antes de escrever  eu assisti os telejornais, pesquisei na internet e conversei com muita gente. Queria mesmo ter conversado com o Ariano Suassuna. Ele sim teria algo bom a me dizer... 
Por aqui vamos vivendo. Sem muitas novidades é verdade! Mas ainda assim vou te contar.
Esta semana soltaram um, prenderam outros mas a coisa tá longe de encerrar. 
Continuamos sem saúde. Doentes! Doentes dos olhos, doentes dos ouvidos, doentes de coragem. Contudo, sem poder adoecer. Também continuamos jogando lixo no chão. Me envergonho quando falo isso, mas é verdade. Continuamos poluindo os rios, continuamos enchendo o mundo de garrafas pet, continuamos estragando o que temos de mais sagrado, esta terra. 
Por aqui os ladrões continuam soltos e nós presos em nossas casas com medo. Medo de alguma coisa, medo de qualquer coisa, medo de viver.
Por aqui há uma grande descrença. Na máquina, no sistema, na melhora. Falta-nos uma referência, falta-nos um líder, falta-nos um herói. Falta-nos um bom exemplo a ser seguido. 
A gente aqui ainda sente saudade do Senna, do Betinho, da Zilda Arns e de tantos outros que foram nossas inspirações para dias melhores. 
O mais intrigante é que apesar de tanto desânimo, por aqui ninguém parou. Continuamos acordando cedo, trabalhando, estudando, continuamos empurrando a máquina com nossas próprias mãos. 
Também não nos falta fé! Fé em Deus, fé na padroeira, fé em dias melhores que "um dia" virão. Quisera eu viver muito para ver esses dias chegarem. 
Dizem por aí que escolhemos mal. Deve ser verdade. Mas o fato é que perdemos as opções. Não sabemos em quem confiar, não sabemos por onde começar, não sabemos o que dizer aos nossos filhos. E vamos deixando do jeito que está para ver como é que fica. Não fica! Não fica bem um país de alienados. Não fica bem um país onde cada um pensa em si e entregam a Deus a tarefa de cuidar de todos. Enquanto nossas escolhas privilegiarem nossos umbigos, continuaremos sendo tão mesquinhos quanto todos eles. Somos pequenos escolhendo a mesmice de permanecermos pequenos. E enquanto continuarmos assim, não haverá muita coisa boa pra se dizer. Que pena! 
Prometo que depois que eu me encontrar com o Ariano eu te escrevo de novo. 

Leila Rodrigues

Publicado no Jornal Agora Divinópolis e no JC Arcos
Imagem da Internet Ariano Suassuna, alguém que me representa 


Olá pessoal,

Geralmente não falo de política, nem de religião ou futebol aqui no blog. Não que eu não tenha a minha opinião formada sobre esses três assuntos, eu tenho sim. Mas a minha proposta não é fazer as pessoas mudarem de opinião ou gostarem do que eu gosto. Nunca tive problemas com quem pensa diferente de mim. O fato é que quando me propus a escrever, escolhi falar do cotidiano, da vida e dos sentimentos. Considero que temos excelentes escritores no Brasil para os outros assuntos que não são os meus. 
Hoje falo da descrença do brasileiro em relação às lideranças como um todo. Um país inteiro desconfiado e descrente. Isto é o que vejo e sinto neste momento. Infelizmente. 
Grane abraço 

Leila Rodrigues



sábado, 21 de outubro de 2017

Depois de muito anos


E de repente, sem nenhum sinal aparente, algumas coisas perderam o sentido. Não houve um aviso sequer, nem do vento, nem da chuva, nem dos deuses. Também não se pode dizer que ela acordou mudada ou que ele amanheceu assim e foi dormir assado. Eles mudaram. É fato! E só se deram conta depois de mudados. Tudo aconteceu tão serenamente que ninguém notou. Ou se notou, ficou calado, observando a felicidade que pairava nos atos. 
Ela agora gosta de ficar na janela, observando o horizonte. Ele passou a gostar do cachorro que agora chama de amigo. Ela parou de ver novelas, ele tem gostado de poemas e emprestou a ela um livro do Drummond. Ele experimentou a corrida, ela a yoga e juntos eles descobriram o prazer de uma taça de vinho antes do jantar. 
Ela não pinta mais os cabelos, ele deixou a barba crescer, tá usando. Ela descobriu que vestidos são femininos e confortáveis, ele voltou a usar o chinelo de couro. E juntos eles planejam a próxima viagem. 
Tem dias que ela acorda muito cedo, tem dias que ele faz o café. E quando chove eles ainda discutem sobre quem vai buscar o pão. Eles continuam gostando de rock, mas ela não perde a chance de ouvir um Belchior e cantar junto. E ele jura que ouve Anitta por causa da voz. 
De manhã ele gosta de silêncio, à tarde eles sempre tomam um chá. De vez em quando eles saem para dançar. E volta e meia enchem a mesa de amigos. 
As plantas estão mais bem cuidadas e o controle da TV sumiu tem 5 dias. Ela adotou um gato e eles já não pensam mais em voltar para São Joaquim. 
Será que foi a calmaria que chegou sem avisar? Será que foi o tempo que colocou cada sentimento no seu devido lugar? Nenhum dos dois nunca parou para perguntar e nem para responder. Perguntas e respostas também perderam um pouco o sentido. Certamente foi o cansaço que deixou a simplicidade entrar pelas frestas das poucas horas de lucidez. Cansados de correr atrás das coisas decidiram andar lado a lado com as pessoas que lhes são importantes, a começar um com o outro. E o tempo que corria atrás do tempo, pedindo mais tempo para dar conta de tudo cedeu seu lugar ao tempo de deixar a vida acontecer. 
Ainda há que existir conquista, ainda há que existir perdão, ainda há que existir uma surpresa, um carinho ou um gesto que traga à tona aquilo que os sustenta. E enquanto estiverem juntos, eles terão o que conquistar a cada amanhecer. O fato é que a cada dia eles se reinventam e é isto que lhes dá o sustento.
Eu só posso dizer que admiro aqueles dois e que foi assim, nas quase imperceptíveis mudanças de cada um, que aquela casa no fim da rua Delfinópolis, com paredes carmim e flores na varanda, experimentou a coragem de ser feliz! 


Leila Rodrigues

Imagem da Internet
Publicado no Jornal Agora e no JC Arcos


Olá pessoal,

Hoje quis falar do amor que já dobrou a serra, das relações que passaram dos 10 anos juntos. Aquele amor que não está nos poemas mas está no fundo do coração. Aquele relacionamento que muita gente acha sem graça mas é o que verdadeiramente sustenta as famílias e coloca os filhos no mundo. Esses casais que enfrentaram o tempo, as dificuldades e a dura tarefa de criar os seus filhos, precisam ser reverenciados. Eles são as nossas raízes e é para eles o meu abraço, o meu respeito e o meu carinho hoje.

Grande abraço



Leila Rodrigues

terça-feira, 17 de outubro de 2017

A leveza que habita




Naquele domingo ela fazia 63 anos. E estava muito mais leve do que há 20 anos atrás. Dava para sentir pela seu sorriso de menina e pelo seu olhar curioso pela vida. Nunca escondeu os números dos seus anos vividos como também não  escondeu os sinais do tempo no seu rosto repleto de histórias. 
Ela já andou muito. Com o tempo aprendeu a diminuir o peso das bagagens. À medida que andou pelo mundo, deixou um pouco si. Espalhou amizade e colheu grandes amigos. E sobretudo, colheu sabedoria em cada lugar que pisou. 
Ela não espera dos filhos mais do eles podem dar. Nem dos filhos, nem do marido, nem de ninguém. Ela não vigiou o celular para saber quem ia ligar no seu aniversário, muito menos a rede social para saber quem a cumprimentou. Ele estava ocupada demais com os presentes. Retifico, com as pessoas e com os momentos presentes. 
Ela estava ocupada demais saboreando o bolo que ganhou da amiga, os abraços dos filhos, as risadas daqueles que estavam do seu lado. Não eram muitos, mas eram o bastante para fazê-la feliz. 
A esta altura da vida ela já sabe que os problemas vão e vem. Já sabe também que as grandes lições serão aprendidas de um jeito ou de outro,  independente dela. A esta altura, eu não tenho dúvidas de que ela já enfrentou um leão na jaula. 
Ela sabe que não vale a pena querer manter as pessoas ao seu redor e nem no seu devido lugar, porque na vida nada tem lugar marcado. 
Ela hoje é uma mulher madura! Forte, resolvida e preparada. Contudo nunca deixou de ser  menina, mãe, mulher, amiga, amante, guerreira, filha, frágil e sensível. Faz parte da natureza dela ser tudo isso! A grande arte é que ela sabe a hora certa de ser cada uma dessas mulheres. E faz isso tão naturalmente que nos surpreende. 
Hoje tudo que ela quer é viver! Usufruir da vida como se saboreia uma fruta bem madura, no ponto! 
Não tenho muito o que dizer a ela. Apenas admiro silenciosamente essa mulher que, sem dizer uma só palavra, me diz tantas coisas que eu ainda não sei. Não há como ser leve sem ser livre! 
E a vida segue nos dando as maiores e mais belas  lições... 

Leila Rodrigues

Imagem: foto da protagonista deste texto. Abaixo, capa e contracapa da revista Xeque Mate
Publicado na Revista Xeque Mate e no JC Arcos




Olá pessoal,

o texto acima é real. Tive a honra de acompanhar esta amiga no dia do seu aniversário e considero que a presenteada fui eu.
Amiga querida, uma honra ter participado deste dia especial com você. Para você saúde, paz no coração e alegria de viver!
Ao amigo Giovani Lima - Revista Xeque Mate, mais uma vez obrigada pela oportunidade. Escrever para a sua revista é um prazer para mim.
Para vocês caros leitores do Palavras o meu muito obrigada pelo carinho e a atenção de vocês. O Palavras tem tido cada dia mais leitores e leitoras. Uma grande alegria! Valeu! 
É por vocês que eu escrevo. 

Grade abraço

Leila Rodrigues