quinta-feira, 28 de abril de 2011

A poção mágica

Vende-se felicidade. Sim, está nas lojas por aí. Estampada nas portas em grandes cartazes. Travestida de carro zero, de jóia rara, de vestido Armani, do último ultra, mega celular. Facilmente encontra-se toda essa felicidade ao seu dispor. Por uns bons trocados o mercado garante que você será, momentaneamente, feliz com todos esses ítens, ainda que não sejam de verdade. Afinal de contas, verdade agora é relativa. Passou a depender do ponto de vista. O tempo é o novo aliado da alegria. Quanto mais rápido eu te fizer feliz é o que importa. Cremes garantem uma pele nova em vinte dias, shampoos restabelecem os cabelos em segundos (esses bateram o record do tempo), e até a cor da pele muda-se em poucas horas.
Spas garantem que em quinze dias você será uma nova pessoa; completamente diferente daquela que você gastou quarenta anos pra se tornar. Remédios milagrosos devolvem todos os perdidos: o sono, o cansaço, a saúde, a libido.
Fidelidade virou palavrão. Foi abolida do dicionário. Deu lugar à troca imediata. Deu defeito? Troque. Vale para celulares, computadores e pessoas.
Não perca tempo, as vantagens são tentadoras, troque logo de operadora, de provedor, de banco. Aproveite e troque a secretária, troque o marido, terceirize os filhos, terceirize os pais. Tudo dividido em n vezes e a perder de vista.
Abraços e beijos são cada dia mais virtuais. Promessas e enganos cada dia mais reais. Tão fácil e convidativo ser medíocre e fútil. Novos comportamentos disfarçam velhos tormentos.
Vende-se felicidade. Sim, vende-se por toda parte. E eu também entrei na fila. Olhei, provei, necessitei instantaneamente e comprei. Preço bom, condições ótimas. Sai da loja feliz e saltitante com as mãos cheias de sacolas quase vazias.
Foi como ter tomado um jarro de uma poção mágica. Nem pensei em posologia, passei batido na bula. Me esbaldei. Bebi o suficiente para um bom tempo de satisfação, não fossem os efeitos colaterais.
Doeu tudo. A falta de juízo me causou uma enorme dor de barriga, a culpa me trouxe uma enxaqueca do cão e a conta, essa tá doendo até hoje.

Leila Rodrigues

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Ótima reflexão ! Gostei muito ! Parabéns Leila !

    ResponderExcluir
  3. Retrato perfeito da sociedade capitalista em que vivemos, infelizmente. Lindo, Leila.

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço