sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Para viajar na viagem






Pra viajar na viagem

Paga a conta da padaria. Avisa que não é para entregar o pão. Deixa a cachorra no hotelzinho. Não esquece de levar a ração! E as plantas? Quem vai cuidar? Lembrou de pegar os vouchers? E o chip do celular? Tem que deixar dois cheques assinados para pagar isso e aquilo. Mãe, minha mochila estragou. Dona Leila o quê a Sra vai querer almoçar quando voltar? 
Pára tudo que eu enlouqueci! Nem quero mais viajar! 
É assim a vida de quem não tem férias. É assim a vida de quem tira uns dias para  ir ali. Uma verdadeira loucura!  Até a entrada no avião eu sei que ainda estarei falando no celular. Se não for no trabalho será com a minha mãe, ou com quem for cuidar do meu cachorro. Tudo se junta nas vésperas da viagem! A mala, a imensidão de coisas que precisam caber na mala, uma lista de coisas para levar, outra lista de coisas para fazer antes de sair e ainda tem uma terceira lista de coisas para fazer lá. Isso sem contar as encomendas e as fotos de produtos "bacanas e com nomes estranhos" que estão no celular. Não precisa me dizer, eu sei; isso é coisa de quem viaja pouco! Não aprendeu a ser prática, não aprendeu carregar pouca bagagem. Fazer o quê? Essa sou eu, tenho que assinar onde? 
Não sou de invejar ninguém. Mas vou confessar, tenho inveja das mulheres que podem viajar nos preparativos da viajem. Aquelas que ficam dias fazendo as malas, que tem organizador para tudo, que têm aquelas necessaries gigantes que cabem frascos enormes. Elas sempre saem para viajar tranquilas, perfumadas, produzidas, com cara de Coco Chanel, prontas para o passeio dos sonhos. Parece coisa de filme, surreal! Lenços, chapéu ao vento, óculos combinando com a bolsa, com  a sola do sapato. Não são mulheres normais. Elas me parecem mais uma propaganda ambulante de Resort. Meu sonho é me esconder na mala delas só para saber se elas esqueceram alguma coisa. Seria a glória! Será que eu estou no planeta errado? Ou será que são elas? Fiquei em dúvida.
De uma coisa eu tenho certeza, depois que aquele avião tirar as rodas do chão, ninguém vai se divertir mais do que eu. Posso ter esquecido o creme do cabelo, posso ter que empurrar meu marido na cadeira de rodas (como já aconteceu), posso ficar sem dinheiro e comer pão com mortadela na padaria da esquina, mas euzinha aqui, viajando de férias com pessoas que eu amo, eu esbanjo disposição  e alegria. Posso não ser boa nos preparativos e nem chegar no embarque com cara de quem mora na França, mas como companheira de viagem, não tem produção que me vença. Eu sou ótima! Vamos? 


Leila Rodrigues

Imagem da internet
Publicado no Jornal Agora Divinópolis e no JC Arcos

Olá pessoal,

quem me conhece sabe que esta sou eu mesma. Imagine um HD antigo com múltiplos processamentos? Sou eu na véspera da viagem. Às vezes consigo bem, outras nem tanto, mas geralmente me atrapalho. A minha única vantagem é que eu ainda consigo rir de mim. Será preciso viajar muito ainda para eu tomar jeito! Que bom! 
À bientôt!

Grande abraço

Leila Rodrigues



2 comentários:

  1. Que delícia de crônica da vida real de pessoas normais... Quem nunca? Não é mesmo? O bom é ser autêntica e bem humorada! Quer melhor companhia? Feliz viagem! Bora lá, ser feliz!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disse bem Celia. Quem nunca? Obrigada pela visita aqui no Palavras. Grande abraço

      Leila

      Excluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço