sábado, 7 de janeiro de 2017

Bora viver



Há quem aproveite a virada para rever a vida, fazer promessas e refazer expectativas. Há quem aproveite a virada para comer e beber, assim como há quem vai dormir como se fosse um dia qualquer. Não importa se você pulou ondas, se assistiu a uma grande queima de fogos, se estava na cobertura de um lindo apartamento em frente ao mar, ou dentro de um templo fazendo suas orações. O ano mudou e agora, quer queira, quer não, temos de enfrentá-lo. Gosto disso! Ninguém pediu e o ciclo se renovou assim mesmo. O ano é novo para todos nós!
E aí? Vai fazer o que? Vai sair fazendo tudo diferente do que sempre fez até ontem? Vai cumprir todas as suas promessas ou reatar aquele amor que você deixou passar? Vai se tornar uma pessoa mais paciente, vai fazer atividade física e comer menos? Há tanto a se fazer que poderíamos ficar aqui discutindo as possibilidades até amanhã. 
Então dizemos aquela frase clássica:  "Ah mais isso não é tão simples assim!!” Se fosse fácil, bastaria lermos as mensagens que recebemos no Natal e final do ano. Todas elas têm motivo de sobre para tomarmos uma atitude. Porém sabemos que é preciso mais que uma virada de ano para nossos desejos virarem prática. É preciso uma virada interior para que criemos a coragem necessária para as nossas atitudes. E muitas vezes é preciso que a vida nos chacoalhe forte para a coragem chegar. Mas até quando vamos esperar esse chacoalhão da vida? Um acidente, uma doença, a perda de alguém querido? É isso que estamos esperando para agirmos? 
Muitas vezes pensamos, pensamos e não conseguimos sair do pensamento. Agimos na impulsividade ou na passividade, dois extremos que só prejudicam o andamento de nossas vidas. O impulsivo volta rápido porque não planejou, não analisou os riscos, não pensou nas consequências e o passivo não sai do lugar porque pensou demais nessas mesmas consequências. 
O equilíbrio não é privilégio dos deuses. Viver é um eterno equilibrar-se entre as nossas vontades e nossas atitudes. É preciso agir, sim. Começar de alguma forma. Respeitando o nosso ritmo, nosso jeito e por  onde for mais fácil começar. Os motivos estão aí ao nosso dispor e cada um de nós, melhor que ninguém, sabe a diferença que as atitudes podem fazer em nossa vida. É uma questão de escolha. Estamos esperando o quê? Bora viver! Eu garanto a você que é melhor que ser um espectador!


Leila Rodrigues

Publicado no Jornal Agora Divinópolis e no JC Arcos
Imagem da Internet


Olá pessoal,

muita gente ainda curtindo as festas de início de ano, aproveitando as férias. Em contrapartida já tem gente a todo vapor com seus projetos. É o tempo de cada um! É preciso que aprendamos a respeitar os tempos de cada um. Os tempos, as opiniões, as escolhas. Respeitar as diferenças, respeitar as crenças. Aceitar o próximo é a essência da maturidade, da evolução humana.
Ah como a gente ainda tem muito que aprender!!! Bora viver que a melhor escola é a própria vida. Ela com suas lições às vezes tão distorcidas…

Grande abraço

... e que consigamos encontrar o dia de renovar nossos ciclos!

Leila Rodrigues












Um comentário:

  1. Seguir nosso caminho sempre respeitando o do outro é seguir para um bom ano sem pensar apenas na "virada do ano"... Cabe-nos desentulharmos velhas rusgas e mágoas e "bora viver e ser feliz"!
    Abraço.

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço