sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Dia de filha




Olá pessoal,

De todos os laços que criamos, nenhum deles consegue ser mais forte do que o laço que criamos com nossas famílias. É algo que vai muito além do que se pode explicar.
Este texto eu dedico a todos os casais que se propõem a formar uma família. De todas as missões que temos na vida, esta é, sem dúvida a mais espetacular delas.
Aos meus queridos e amados pais (Sr. Déco e Dona Neusa) a minha eterna gratidão por ter vindo a este mundo através de pessoas tão nobres como vocês.
Dia de filha, uma gota de alegria na vida de quem mora longe dos seus.
Boa leitura a todos!
Abraços

Leila Rodrigues

  Dia de filha


Depois da curva tem um flamboyant. Que nesta época do ano, quebra o verde do mato com seus tons de fogo. Meu coração se alegra quando passo. E me imagino deitada no chão coberto de flores... Ah! Tudo podia ser tão mais simples!
Deixo o flamboyant para trás e sigo firme na estrada. As primeiras construções começam a surgir entre as serras. E o meu coração parece o flamboyant que deixei na estrada. 

É cedo. Muito cedo. A cidade pequenina mal começa a acordar. Quero chegar com o aroma do café coado na hora. E o cheiro de biscoito frito ainda recendendo pela casa.
Só de lembrar que hoje não tenho que usar salto, nem maquiagem e que meus cabelos podem seguir o vento sem culpa, já me sinto descansada.

De todos os hotéis que já visitei neste mundo, este é sem dúvida o que eu pagaria qualquer quantia para me hospedar. De todas as cidades lindas e maravilhosas que eu conheço nenhuma delas toca meu coração como aquela placa velha de boas vindas que no meu primeiro baile eu dormi abraçado a ela. Minha cidade. Minha infância. Meus pais.

Quando entrei na casa de piso frio, no meio do silêncio da manhã e dos primeiros raios de sol, os dois conversavam tranquilos sobre o pé de acerola que precisava ser podado. Fiquei parada em silêncio, ouvindo uma aula de 52 anos de união. Ela ainda põe mais açúcar no café dele. E ele, espera ela se assentar do seu lado para começar o café da manhã.  Há tempos não dizem que se amam, há segundos se falaram com os olhos.

O susto com a minha chegada interrompeu o momento mágico. Seus olhinhos brilhantes reforçaram em mim a certeza de ter feito a escolha certa. Aqui estou eu para viver dois dias de filha. Dois dias sem cliente, sem fornecedor, sem CNPJ, sem meta, sem trânsito. 

Dois dias para comer banana frita sem me lembrar do endocrinologista. Dois dias para ser apenas a filha deles. Dois dias para relembrar o quanto tudo é tão simples e tão pequeno. Dois dias para ser de novo a menina que adora abóbora com carne de sol. Dois dias de criança no meio da minha vida tão adulta.

Faltam-me as tranças de tempos atrás e as canelas finas que subiam nas árvores. Sobra-me disposição para ouvir a mesma história pela décima vez e a discussão dos dois sobre o padre que fez meu batizado. Eles cochilam no meio da conversa e agora sou eu que os coloco para dormir. 

Tudo passa tão rápido. Se será pouco ou muito não sei precisar. Mas te digo que serão dois dias mágicos. Dois dias para lembrar de novo todas as histórias que eu fui protagonista e nem me lembrava mais.  A criança que um dia foi no tororó beber água e não achou, retorna à fonte e descobre a verdadeira magia desta água. 

Nem ouse em me tirar daqui, porque eu só volto depois de me afogar.

Leila Rodrigues
Imagens da internet

10 comentários:

  1. Lindo! Lindo! Lindo! Isso é vida que se renova! É vida que se debulha no dia a dia de nossas lembranças. Curta mesmo!
    Bjs. Célia.

    ResponderExcluir
  2. Cara Leila, este foi dos mais lindos momentos que me foi dado ler.
    Momentos de um regresso a um passado de saudades, que nos ficam na pele e nos acompanham, tornando mais rica a nossa memória.
    Magnifico!

    ResponderExcluir
  3. Maravilha e ter esses dias de filha fazem bem!!!beijos praianos,chica

    ResponderExcluir
  4. Leilinha,

    Que lindo! Isso é sinal de amadurecimento. Reconhecer e ser grata por ser filha é sinal se desapego e liberdade do nosso ego.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Leila, lindona!
    Belíssimo texto! Muito bom ter vindo por aqui me renovar um pouco, saio daqui mais leve, mas também mais emocionada :)

    Palavras de uma filha que também é mãe, é quase como amor em dobro, algo que passa pelas gerações e deixa suas marcas além-tempo.

    Beijos e ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  6. Momentos da nossa vida que permanecem vivos dentro do peito e nos ajudam a superar as dificuldades que dia após dia temos que vencer!...

    Beijos,
    AL

    ResponderExcluir
  7. Lindo texto!
    Acho lindo valorizar o passado, as origens, o que somos hoje são as vivencias, as experincias passadas...
    Pena que nao podemos ter "dias de filha" sempre ne!
    Parabens a seus pais por uma filha de alma nobre.

    ResponderExcluir
  8. boa noite minha amiga fidalga !!!!
    que bom poder vim aqui,vejo que continua com o mesmo gosto pela escrita,com a criatividade a mil...lindo quando vemos a vida se renovando sempre...
    bjssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  9. Lindo texto...emocionei!

    bjus
    http://escorpianamente.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Leila, fiquei super empolgada lendo seu texto!!!
    Beijinhos no coração.

    http://marlicarmenescritora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço