quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Com o tempo


Pela janela eu vejo a água descendo rio abaixo. Ainda chove. E a força da correnteza é como uma avalanche líquida que segue desembestada ocupando todos os espaços que encontra pela frente. Penso nas minhas plantas. Penso nas pessoas que moram à beira deste mesmo rio, alguns aqui bem perto e outros que eu nem sei precisar. Minha mulher já reclamou que as roupas não secam. Meus filhos me dizem que não tem o que fazer nas férias e percebi que até o meu cachorro anda ressabiado.
Há dois anos atrás, eu, este mesmo cidadão que voz fala, vi desta mesma janela este rio secar a cada dia. Chorei sua seca e a morte anunciada de tudo que vivia e dependia do rio. Sequei-me de tristeza junto com o rio naquela ocasião. E agora cá estou eu, preocupado com o estrago das águas ao redor de mim. É da natureza humana querer tudo certo, tudo bonito, tudo no seu devido lugar! Queremos filhos lindos e perfeitos. Queremos parceiros compreensivos e amáveis. Queremos um jardim sempre verde, tardes sempre tranquilas e por-do-sol de fotografia de segunda a segunda.
Perdoa-me Deus. Perdoa-me pelo meu despreparo para as adversidades. Queria eu que a água caísse mansinha, na quantidade certa para encher os rios, encher os potes e as minhas necessidades mundanas. Queria eu que o sol nascesse a cada manhã para secar as roupas no varal, fortalecer a plantação e nos aquecer na medida certa para trabalhar. Oh pobre mortal e ignorante que sou. Eu que a cada dia acordo com um humor diferente. Eu, que nunca me dei conta do uso indevido que fiz da água durante praticamente toda minha vida! Eu que nunca pensei antes de cortar mais uma árvore do caminho. Eu que usei sem medidas a terra que me deste estou aqui pedindo consenso à mãe natureza. Eu deveria aprender que a normalidade dos dias só serve para acariciar a minha mesmice e me manter fincado no mesmo lugar. Aprender que as adversidades me ensinam novas possibilidades. Aprender que as vezes é preciso secar a minha pretensão junto com a seca ou deixar que o meu orgulho escorra na correnteza do rio.
Que seja feito o que tem que ser feito, que tudo chegue no seu tempo e que eu consiga enxergar o tempo bom na chuva que cai. Foi preciso uma seca para eu entender como deveria usar a água, foi preciso uma enchente para eu doar coisas que não me serviam mais. O que será mais que eu preciso para aprender a ser uma pessoa melhor?

Leila Rodrigues

Publicado no Jornal Agora Divinópolis em 19/01/2016 e no JC Arcos em 23/01/2016

Imagem da Internet

3 comentários:

  1. Nas fases da vida colhemos a energia necessária para muita aprendizagem. Basta que saibamos assimilar e agradecer sempre, cada ciclo percorrido. Realista crônica do homem e sua vivência, muitas vezes ininteligível.
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, Leila. Perfeita crônica.
    O homem sempre fazendo mau uso do que possui e quando aprende, sofre com isso.
    As experiências são diárias, quase sempre para darmos valor a algo perdido.
    Estamos na Terra para aprender e a evolução não ocorre tão facilmente assim.
    Parabéns.
    Lindo feriado.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite, Leila. Perfeita crônica.
    O homem sempre fazendo mau uso do que possui e quando aprende, sofre com isso.
    As experiências são diárias, quase sempre para darmos valor a algo perdido.
    Estamos na Terra para aprender e a evolução não ocorre tão facilmente assim.
    Parabéns.
    Lindo feriado.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço