segunda-feira, 3 de setembro de 2012

De mudança para os novos dias



Olá pessoal,

Não sou muito apegada a datas e comemorações. Mesmo porque, nas datas comemorativas todas as atenções já se voltam para o comemorado. Gosto exatamente de escrever do que não está roda de discussão. Gosto de ouvir a opinião dos meus leitores, isso é muito importante para mim, assim como quando comento os textos e poemas de vocês, tenho vontade de me sentar com cada um e discutir o que escreveram. Com alguns já consegui ter boas conversas. É sempre muito enriquecedor conversar com o autor e temos autores excelentes na nossa blogsfera. esta semana tentei colocar o atributo de resposta aos comentários, mas não deu certo, quem souber como se faz, por favor, me fale. Não vejo a hora de poder responder aos comentários na horinha que chegarem. Obrigada a todos pelo carinho aqui no Palavras.

Abraços  e boa leitura!

Leila Rodrigues


De mudança para os novos dias


As avós de hoje não fazem mais tricô! Que triste! Triste nada, isso é fato e dos melhores. Isso explica que não é só a rapaziada que muda; todos nós mudamos. Se nos assustamos porque hoje os relacionamentos são diferentes, as escolas são diferentes, as mulheres são diferentes é porque não olhamos para nós mesmos.
Sim, as avós de hoje são completamente diferentes! Elas fazem yoga, natação, viajam com os amigos para o exterior, para o pantanal, para qualquer lugar que seja divertido. Elas dançam a noite inteira, têm uma agenda cheia e acredite, só vão tomar conta do neto se não tiver outra coisa para fazer. 
É de assustar? Claro que não! É de aplaudir! Se a rapaziada não é a mesma, se as crianças não são as mesmas, se nós não somos os mesmos, porque as avós teriam de continuar de coque na cabeça e arrastando pantufas pela casa? Elas estão certíssimas! 
E você não se assuste porque você também está mudado demais! Quer ver? Pegue uma foto sua há dez anos e repare bem. Dois minutos apenas, nada mais. Você se reconhece na foto? Quanto daquela pessoa da foto ainda permanece em você? Não estou falando só de aspectos físicos ou do frescor da juventude que naturalmente se esvai no tempo, mas de quais eram seus sonhos, seus planos, seus medos, seus problemas, suas alegrias, suas preferencias e seus desafetos naquela época e que ainda são os mesmos? Na maioria das vezes quase nada é o mesmo. Isso porque enquanto um movimento imperceptível chamado rotação acontece tudo muda de lugar. Inclusive nós. E como mudamos! 
Somos resistentes às mudanças que a vida nos impõe, temos medo do novo sem sequer percebermos que, quer queiramos ou não, as mudanças acontecem conosco o tempo todo. Certezas que antes nos eram absolutas hoje são questionáveis. Fatores que antes eram imprescindíveis hoje são passíveis de acordo. Que bom! 
Mas porque temos tanto medo de mudar? Porque, mesmo sabendo que as mudanças são parte de nossas vidas, ainda preferimos o velho e bom "tudo igual"? Reclamamos o tempo todo do cotidiano, dos dias iguais, da vidinha comum mas, basta o novo bater à nossa porta para que nos apeguemos ao velho com as garras de um leão faminto.
Somos todos novos. Novos com medo do novo. Novas crianças, novos jovens, novos pais, novos avós. Adaptados a este mundo cada dia mais novo que a nós se apresenta. Novas crianças, tão modernas e espertas. Jovens cada vez mais corajosos e audaciosos. 
Sejamos o novo de nossas épocas, independente de qual fase você vive. Sejamos o que sempre sonhamos ter, uma nova pessoa para nós mesmos e para o mundo. Novos pais, completamente diferente dos nossos pais, que amanhã seremos novos avós e assim sucessivamente com todos nós. 

Leila Rodrigues

Imagens: Internet
Publicado no Jornal Agora Divinópolis em 21/08/2012

33 comentários:

  1. Minha querida

    A vida é mesmo isso, uma mudança constante de hábitos e valores, e é muito bom evoluir nas mentalidades.
    Infelizmente não conheci nenhuma das minhas avós,só conheci um avô e era à moda antiga,pouco carinhoso e os meus filhos não estão com vontade de me dar netos, gostava de saber que tipo de avó seria.
    Como sempre gostei de te ler e agradeço as palavras de carinho que me deixas sempre...e vou continuar a lutar pelo direito de poder chamar meu ao que escrevo.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  2. OI LEILA!
    APESAR DE ASSUSTADORAS, AS MUDANÇAS ACONTECEM, VERTIGINOSAMENTE, MAS TEMOS QUE NOS ADAPTAR E MUDAR, ATÉ PORQUE NATURALMENTE NOSSOS FILHOS MUDAM, ENTÃO TEMOS QUE CORRER ATRÁS.
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  3. Leila querida...passei pra te dar um beijo..
    amanhã e venho te ler com calma ta?
    bj com saudades...dorme bem!!

    ResponderExcluir
  4. Leila, lindona!
    Ótimo texto!
    A mudança sempre pressupõe desafios, novos desafios, por isso tão temida pelo risco.
    Que bom que as coisas mudam, o esteriótipo da vovó grisalha com cabelos presos e fazendo tricô na cadeira de balanços, dançou! Assim como elas dançam hoje nas matinés em clubes da terceira idade! Ótimo!

    Beijos e ótimos dias!

    ResponderExcluir
  5. Bom dia, Leila. Muito bom o seu texto.
    Mudanças ocorrem na vida o tempo todo sim, sabemos disso, da investida do Universo nas nossas ações.
    Somos mutáveis e isso é bom.
    Penso que temos medo do novo conforme você falou, mas acredito que aos poucos o vencemos.
    A rotina é em muitas vezes sinônimo de segurança, quem não quer estar seguro?
    Quanto às vovós, adorei a modernidade com que elas se apegaram na vida!
    São ativas, namoram, e fazem de um tudo, afinal, são pessoas que buscam mais e mais qualidade de vida!
    Parabéns!
    Beijos na alma e fique na paz!

    ResponderExcluir
  6. Leila, gosto de assistir pela tv um programa chamado " É a vovozina"que trata destas mudanças maravilhosas: a avó que deixou a cadeira de balanço e foi para a vida!
    Ser flexível, receptivo às mudanças, abrir-se ao novo.
    Um lindo texto que nos tira o medo de mudar. Parabéns
    Beijo

    ResponderExcluir
  7. E que mudanças acontecem! Credo! Li e fiquei engasgada... Não sei o motivo, mas desde ontem à tarde, ando meio pensativa com essas mudanças. Vejo minha mãe que apenas está aqui, sem no entanto "estar" realmente.,Isso é triste. As mudanças deveriam ocorrer, as coisas andar sempre, mas as pessoas não deveriam ficar aqui "penduradas" apenas...Ficar enquanto tem possuem VIDA pra poder, pelo menos companhar os pensamentos. Pena!! beijos,chica

    ResponderExcluir
  8. É isso aí, amiga! O "novo" nos assusta tanto quanto a "mesmice"... Mas, como você bem colocou, querendo ou não as mudanças acontecem. Que possamos ser pessoas mais maleáveis e capazes de viver bem estas mudanças muitas vezes necessárias à nossa vida! Bjs e continue...

    ResponderExcluir
  9. Oii Leila, não sei como colocar as respostas nos comentários, tenho no meu mas não foi eu quem fiz, se não conseguir te indico uma pessoa tá!

    Qto a postagem, nem fala viu, eu não tenho medo de mudanças, sou até bem adepta a elas, mas sinceramente ser avó, moderna ou não, é uma mudança que me assusta e muito! rsrsr Bjooosss Ótimo texto! Parabéns!

    ResponderExcluir
  10. Leila,sempre uma grande cronica por aqui!Somos sempre novos,tem razão,pois mudamos,morremos e renascemos a cada minuto!Adorei te ler!bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  11. Muito interessante esta abordagem à evolução e à forma como vamos mudando, embora nos pareça que tudo continua como dantes.
    Compreendo que as pessoas sejam diferentes, que os avós não sejam como eram, que a juventude abra as asas e queria voar. É bom porque é evolução, mas tenho saudades dos tempos de outrora.
    Adoro o seu Blogue e tenho pena, do coração, em não poder ter esse dialogo que muito nos ia enriquecer.

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Olá Leila,

    Muitos resistem às mudanças por comodismo, mas as mudanças sempre chegam para melhorar. Querendo ou não, a vida nos empurra para o novo.
    Eu me surpreendo a cada dia com as mudanças, que ocorrem céleres, principalmente no mundo da tecnologia, e se não acompanharmos estas mudanças ficaremos para trás e isolados.
    Sempre disse que quero ser uma velhinha moderna e espevitada.
    As vovós estão certíssimas em emprestarem uma nova cor aos seus dias. Nada de tricô ou cadeira de balanço. Desfrutar a vida até o último suspiro deveria ser receita obrigatória a todo ser humano.
    E viva as mudanças!

    Ótima crônica.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  14. Rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrrsrsr
    rsrsrsrsrsrsrssrsrsrsrsrrsrsrsr
    Boa noite minha amiga fidalga!!!!!
    Você como vovó será impecável !!!!
    eu,já sou vovó de 3 netos,muito admirada por eles...sabias que foi tudo de bom chegar nesse processo...eles me admiram tanto que querem me imitar,ver se pode.A neta mais velha tem um blog imitando o meu,só de fotos,rsrsrs;passa lá pra ver;

    http://wanessaestrela.blogspot.com.br

    Então seu conto está bem redigido e gostoso de ler...ri muito,rsrsrs
    bjs de boa noite !

    ResponderExcluir
  15. "Sejamos o novo de nossas épocas, independente de qual fase você vive."
    Parabéns pelo texto e que possamos viver com alegria. Bjsss

    ResponderExcluir
  16. Lindo texto Leila...
    Passando pra deixar meu carinho e avisar q tem post novo em meu cantinho, ficarei feliz em recebe-la...
    Um beijo carinhoso
    Lucinha
    http://sonhosecarinhosdetimel3.zip.net

    ResponderExcluir
  17. Oi Leila
    Que texto maravilhoso. Adorei! Não tem como negar, a nossa geração é diferente dos nossos filhos, e a deles serão diferentes dos filhos deles. O Fernandinho de cinco anos já joga na internet kkkk, é claro que comigo monitorando tudo!
    Bjão. Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  18. Oi Leilinha,

    Tudo bem? Por que você não faz um facebook? Por lá é tão mais fácil o contato, as análises sobre o que escrevemos, mesmo nesse mundo corrido que vivemos.

    Quanto ao seu texto, já me imagino aos 70 anos, correndo na praia, dançando, blogando e namorando. Assisti o filme Divã a Dois e essa questão foi debatida, pois tocou em um tabu que é o sexo na melhor idade. Então que venha a liberdade de vivermos.

    Bom feriado e beijos.

    Lu

    ResponderExcluir
  19. Olá, Leila. Bom feriado! Obrigada amiga pela carinhosa visita. Como sempre adorei o post! Realmente tudo mudou e amanhã será também diferente. Beijinhos!!

    ResponderExcluir
  20. Toda mudança vem com uma resistencia, porque somos ainda presos ao apego,
    apego de tudo quase.É preciso estar em sintonia com as mudanças, as inovações sem que para isso percamos nossa identidade. O mundo é mutante e não se pode ficar parado numa praça esperando o tempo nos devolver o que já não existe mais.Seguir sempre é uma ordem.
    Belo texto e reflexão Leila.
    Meu abraço de paz e luz.

    ResponderExcluir
  21. Oi Leila..
    Belissimot texto....Mudanças acontecem...e com a tecnologia se não acompanharmos a evolução ficaremos ultrapassados...Amei o post e Amei também sua presença carinhosa na minha Bodas de Pinho....Arigatou né pelo carinho!
    Otimo fim de Semana!
    Beijos!
    San...

    ResponderExcluir
  22. Mudar é acompanhar a vida...beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  23. Uma das grandes bênções da vida
    é a experiência que os anos vividos nos concebem.
    Aniversariar é uma amostra das oportunidades que temos de aprender a contar os nossos dias.
    mais uma janela e abre diante dos meus olhos,
    mais um espinho foi retirado da flor,
    restando somente a beleza de tão bela data.
    Com fé, na esperança e no empenho por ser melhor a cada dia.
    Seguindo pelos caminhos da verdade e do amor.
    Um dia encontrarei o mais belo jardim, o jardim que representará a realização
    dos meus maiores sonhos.
    Com saudades .
    desejo um feliz final de semana
    venha curtir meu aniversário.
    Beijos na sua Alma,Evanir.

    ResponderExcluir
  24. Texto perfeito!
    Por muitas vezes ao longo da minha vida ja parei para analisar o quanto mudei, o quanto o tempo, os acontecimentos e as pessoas acabam mudando nossa modo de ver e de de viver a vida...Quando era mais nova tinha pavor de mudanças, hoje percebo o quanto elas foram importantes em minha vida, hoje sou quem sou pelas coisas que vivi, pelas pessoas com as quias convive e que me fizeram mudar...Sei que ainda tenho uma caminho a percorrer e que outras mudanças virão, se tenho medo?SIM! ainda tenho, mas agora é um medo diferente, um medo com um pouco de ansiedade e de fé no futuro, porque mesmo nas mudanças mais ruins, você pode tirr algo de bom...
    Veja so Leila tanto tempo longe daqui e seu texto ja me fez escrever um jormal rsrsr
    Adore te ler!!

    ResponderExcluir
  25. Ops desculpe os erros na digitação...

    ResponderExcluir
  26. Leila querida! Obrigada pelo carinho e comentário lá no blog....Adorei teu post! Que bom que mudanças acontecem! É normal! É evolução! Medo é acomodação, incerteza quanto ao desconhecido que, depois de devidamente desbravado, transforma-se em evolução.... E assim vamos indo.... Desculpe a demora em responder!....
    Um abençoado e feliz final de semana!
    Abraço carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  27. Gostei desta abordagem; do modo e da forma.
    O medo do desconhecido torna-nos inseguros. Daí o tal medo de mudar.
    Mas depois do primeiro passo (como andar de bicicleta) parece estar-se seguro de tudo; muitas vezes demasiado.


    Beijos


    SOL

    ResponderExcluir
  28. S*I*L*E*N*C*I*O ! ! !

    Vim deixar beijos de dia de domingo,rsrsrsrs,e tbm para todos os dias da semana...
    saudadessssssssss

    ResponderExcluir
  29. Minha querida

    Hoje passando para oferecer o meu selinho de 3 anos de blogue,uma fatia de bolo e uma taça de champanhe e agradecer o vosso carinho que foi o que me fez chegar aqui.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  30. Nossa... que texto bem escrito! Onde assino, amiga?
    Mudanças, né? Engraçado, Leila, não sei se você percebeu: tudo muda, os filhos mudam, a tecnologia voa, professores, casais tudo muda! Mas muitos não dão o direito das avós mudarem, você já viu? Avós mudam na marra, quando são bem independentes e são donas de muita personalidade, senão a elas cabe o papel de cuidarem dos netos... Parece, em milhares de famílias, que avó é isso: cuidar, ficar, levar e buscar!
    Aplaudo avós que cuidam delas, que esticam a vida, seu lazer, suas esperanças. E isso não quer dizer que não adorem seus netos! Mas há de se respeitar isso! Avós têm vida própria!! Beleza de texto, como sempre. Opinião é opinião...
    Beijo grande
    Tais

    ResponderExcluir
  31. Passei e voltei a ler.
    Deixo um abraço de amizade.

    ResponderExcluir
  32. Oi Leila!

    Não consegui ler este texto assim que foi postado porque, adivinhe!, estava recebendo a ilustra visita da avó de meus netos (minha mãe), que mora longe e vem apenas de tempos em tempos! Por coincidência, ela e eu falamos justamente sobre isso: como mudamos ao longo da vida! E como os tempos mudaram! Ela é uma avó moderna sob muitos aspectos, mas que preserva o amor pela família dos tempos antigos. É uma avó que dá atenção aos netos, motivo pelo qual resistem a vê-la partir, voltando para sua casa...

    Quanto a mim, gosto muito do novo, desde que ele venha estabelecido em princípios, em valores. Não cabe mais o coque e o tricô, vamos assumir isso e aplaudir nossas vovós, que hoje malham, cuidam da saúde, administram blogs, viajam e vivem intensamente os seus dias! Parabéns pra elas, parabéns pra nós quando somos capazes de mudar pra melhor, de nos reciclarmos e mudarmos aquilo que precisa de um retoque!

    Maravilhoso texto, muito bom de ler! Beijos.

    ResponderExcluir
  33. Bom dia Leila querida! Passando pra desejar um início de semana iluminado!
    Abraço fraterno e carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quiser.
Grande abraço