sábado, 8 de julho de 2017

Vida de dono



E então você sente uma angústia sem precedentes. Um desânimo de amanhecer. E aquele lugar que você lutou tanto para construir, para manter de pé e para chegar onde chegou parece não te caber mais. E você não sabe se o problema está nas pessoas, nos processos, no país ou se foi o seu prazo de validade que venceu! A causa disso é que na loucura das obrigações de um empresário, na busca incessante pelo resultado não cabe paradas, não cabe reflexão, não cabe externar nossos descontentamentos. E vamos nos acumulando de pormenores até que eles tomem uma proporção gigante dentro de nós. E então nos pegamos cansados e infelizes independentemente dos resultados.
Pode ser que a saída seja um bom livro de auto-ajuda. Quem sabe não esteja naquela palestra daquele cara famoso que você ouviu falar? Ou senão nas férias que você finalmente vai tirar depois de 8 anos sem fazer isso. 
Mas seja qual for a ação que você escolher como marco para resolver o seu problema, certamente você terá que cuidar de duas premissas básicas antes de agir. Caso contrário, o livro, a palestra ou as férias não terão efeito algum. 
Diminua seu fardo. Nós só acumulamos porque nos achamos competentes demais diante dos nossos times. E isso só tem duas razões, ou somos prepotentes e estamos desperdiçando as pessoas boas que temos ou estamos com o time errado. Se reconheça em um desses lados e aceite o fato de que outras pessoas podem fazer tão bem ou melhor que você. Você estará praticando a humildade e o desenvolvimento humano em uma sacada só. 
Defenda a sua história. Conte a história da sua empresa, conte as suas lutas, os seus desafios. Essa é uma das melhores formas de você ensinar valores à sua equipe, aos seus filhos, aos seus clientes e fornecedores. Não conte para contar vitória mas sim para contar o quanto os desafios foram importantes no seu crescimento. E quando contar, faça-o com amor, com paixão e verdade. 
São duas atitudes simples mas que não são fáceis. É preciso praticar o desapego, a humildade e a credibilidade no outro. Ao final você vai sentir uma alegria e uma sensação de liberdade diferente de tudo que você já havia experimentado. E então você vai poder ler seu livro, assistir àquela palestra ou simplesmente caminhar tranquilo pela grama do seu jardim... certo de que o seu legado já conquistou os seguidores necessários para continuar a jornada! 

Leila Rodrigues

Imagem da Internet
Publicado na Revista Xeque Mate jun/jul/2017


Olá pessoal,

Muito poucas vezes na vida usei a palavra “dono”. Na minha concepção não somos donos de nada a não ser de nossas vidas. Usei essa palavra no título apenas para ilustrar. Quando abrimos uma empresa somos o seu criador, o seu empreendedor, mas o dono mesmo é o mercado. Então sempre digo que estamos à frente de um negócio, de um empreendimento, de uma empresa; acho que tem mais coerência. E para todos que estão à frente de alguma empreitada, a minha admiração e o meu respeito. Ser empresário no nosso país é desafiador!

Grande abraço.


Leila Rodrigues

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço