domingo, 12 de março de 2017

Incorretamente feliz?


Ontem eu estava feliz. Sabe aqueles dias em que estamos simplesmente felizes? Era eu. Meu marido me disse que eu estava radiante. E eu, diante da fala dele, me senti melhor ainda.
Mas ontem eu tinha frizz no cabelo, coisa inaceitável para os padrões atuais. Eu também havia me esquecido de colocar os brincos e a minha unha deixava claro que eu tinha ficado muito tempo na cozinha. Era verdade. Eu fiquei um bom tempo na minha cozinha. Minha mãe veio me visitar e juntas fizemos uma comida de verdade. E comemos juntos, o que foi maravilhoso.  Comemos sem pressa, saboreando a simplicidade e a grandeza daquela refeição. Família, mesa e comida, uma celebração natural e divina.
Ah mas naquele eu não fiz dieta! Aquela comida não fazia parte da minha lista de permissões. Verdade de novo!  Naquele dia, que foi ontem, eu não tomei o suco detox e também não tomei os dois litros de água prescritos pela nutricionista.  Nem comi batata doce. E eu estava feliz! Incorretamente feliz! 
Tem dias que a roupa não combina com o sapato, que o cabelo não nos obedece, que a sobrancelha cresce... e tudo é tão pequeno diante da alegria de viver. Nesses dias não conseguimos sentir culpa. Assim são os imperfeitos. Leves com o que tem que ser leve. Neste mesmo dia meu filho vestiu uma combinação estranha de blusa com outra blusa por cima. E o meu outro filho foi mal na prova de redação. E eu, na insustentável leveza dos imperfeitos, não xinguei, não esbravejei, não mandei estudar e nem mandei que trocasse aquela roupa esquisita. 
É que eu estava feliz! Incorretamente infeliz. 
Hoje fala-se tanto em foco, disciplina e alta performance que nos tornamos todos generais. Generais de nós mesmos e de nossos habitats. Estamos o tempo todo vigiando, cobrando e exigindo. Paramos de viver para fiscalizar nossas próprias vidas. Tudo tem que dar certo, tudo tem que cumprir os padrões. Estamos cada vez mais chatos. À caminho do insuportável. 
Hoje voltei à minha disciplina. Minha mãe voltou para a casa dela, meu marido não fez nenhum comentário sobre mim e meu filho não vestiu uma blusa por cima da outra.  Até meu cabelo que gosta de manter a rebeldia foi domado por algumas gotas de um óleo milagroso. Tudo voltou ao normal, menos a saudade de ontem que eu guardei silenciosamente comigo. Aceita um suco verde? 

Leila Rodrigues

Publicado no Jornal JC Arcos
Imagem: Acervo pessoal


Olá pessoal,

As palavras “coach" e "alta performance” tem tomado conta das redes sociais e da vida  das pessoas. Busca-se a alta performance em tudo, na carreira, na vida pessoal, na cama… Eu compreendo que a boa performance faz a diferença em nossas vidas e pode nos levar a patamares melhores. Mas nenhum ser humano vai conseguir ser bom em tudo! É preciso leveza. Principalmente para dar conta que daquilo que nos propomos a fazer bem. Foco, disciplina e determinação são bons, mas o exagero nos transforma em pessoas insuportáveis. E a linha que separa o saudável do insuportável é muito tênue. Imperceptível aos olhos de quem o faz.
Reconheço que este é um tema polêmico. Todos nós precisamos de disciplina e foco; e eu continuo admirando e respeitando quem o faz. O que me incomoda são os extremos, os exageros que dificultam a convivência. Fique à vontade para colocar a sua opinião nos comentários. 
Na imagem, minha cachorra Amy. Uma cadela nada correta, teimosa que só e que me faz muito feliz.

Grande abraço

Leila Rodrigues


5 comentários:

  1. bota verdade nisso, Leila! Quantas vezes deixamos de ser felizes para bancarmos o sargentão ou general (ao gosto do freguês) para fiscalizarmos, ver o que há de errado no front. Mas estou me policiando, os filhos já saíram de casa, são adultos, pois que dirijam suas vidas! Mas mãe é fogo! Estou soltando meus pitacos, minhas observações, e que maravilha. Temos mais tempo para viver tranquila, deixando a vida acontecer. Essa foi a principal ideia que peguei da tua crônica.
    Beijinho, querida!

    ResponderExcluir
  2. Leila, adorei mais esse texto.Tão bom quando podemos ser felizes sem filtros,não? Simplesmente ser!!!Adorei tua cachorra! bjs, tudo de bomn,chica

    ResponderExcluir
  3. Como é bom, é maravilhoso quando deixamos em segundo plano as exigências, os protótipos da sociedade e nos tornamos simplesmente "nós"! Isso é saborear a vida! Parabéns, pelo seu momento de felicidade! Repita-o sempre que possível.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. OI LEILA!
    A EMY É UM AMOR, NÃO PODERIA SAIR SEM DEIXAR UM ELOGIO A ELA, AMO OS CÃES.
    NESSES DIAS, EM QUE PODEMOS SER APENAS "NÓS", IRRADIAMOS O QUE DE VERDADE NOS VAI NA ALMA E É TÃO EVIDENTE QUE QUEM NOS AMA O PERCEBE. PARABÉNS AO MARIDÃO QUE LEU TUA ALMA.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço