domingo, 8 de maio de 2016

Pequena Mulher



A casa dela é simples. Tem santos nas paredes e plantas em vasilhas de plástico coloridas que deixariam qualquer arquiteta incomodada, mas tudo combina. Combina com ela, combina com o seu jeito simples de ser. Ela varre a calçada toda manhã e enquanto isso conversa com todos que passam pela rua. Arruma emprego para um, serve um café para o outro e um par de sapato para o sujeito que passou de chinelo. É assim seu coração. Sem medidas e sem barreiras. É capaz de atravessar a cidade para pedir emprego para o vizinho e não está nem um pouco preocupada se a sua pele precisa de filtro solar. Tem outras preocupações mais nobres. Ela escreve bilhetinhos para os seus santos pedindo por cada um da família. Às vezes acho que ela vive mais perto de Deus do que nós.
Naquele dia ela me esperava no portão. Banho tomado, cheiro de sabonete e aquele vestido florido que eu dei no Natal de 2008 e que ficou ralinho de tanto lavar. Sorriu para mim e disse que o café estava me esperando. Tinha biscoito frito, café da hora e o cheiro inconfundível da cozinha dela no ar. 
Fiquei olhando para ela e observando os seus olhinhos brilharem enquanto falava comigo. De um jeito divertido ela contava as noticias da casa, do bairro e da cidade. O pé de graviola que está cheio de fruta, o bairro novo que abriu e o gengibre que agora está bom para apanhar. Coisas tão simples que vindo dela se tornam notícias de verdade. Impossível não se empolgar. Ela perguntava de tudo e de todos. Queria saber de mim, saber dos netos, saber de tudo. Entre uma pergunta e outra ainda dizia que eu estava bonita demais. Meu Deus, quem mais nesta vida me ama deste jeito? Onde eu vou encontrar alguém que fique tão feliz com a minha presença como esta pequena mulher? Ela não é meu cliente, não é meu fornecedor, nem está interessada em likes na rede social, ele quer a mim e isso basta. Em nenhum outro coração eu vou ocupar um lugar tão especial como este que ela me dá. 
Mãe, nada é mais mágico que o momento em que estamos juntas, usufruindo da presença uma da outra. O mundo é cheio de encantos, sem dúvida porém a sua companhia supera todas as outras opções. 
O nome dela é Dona Neusa e tudo que eu quero é um dia ter um coração parecido com o seu.

Leila Rodrigues

Publicado na Revista Xeque Mate - maio 2016 e no JC Arcos

Foto: Eu e ela - Dona Neusa - clicadas por Juliano Costa

Olá pessoal,

falar de mãe é algo tão difícil que por por mais que tentemos explicar o tamanho da sua grandeza, quando terminamos, sentimos que ainda faltam palavras. Hoje falei da minha mãezinha, Dona Neusa. Uma pessoa simples de verdade. Uma leoa quando o assunto é defender sua cria. Mas imagino  de que se eu trocasse o nome da Dona Neusa pelo de qualquer outra mãe os adjetivos continuariam tão adequados quanto. É a maternidade! É o coração desmedido de ser mãe. Hoje é o dia delas! Das nossas rainhas. E eu desejo que você, sendo filho ou sendo mãe, tenha um dia irradiado deste amor inexplicável e sem medidas.

Grande abraço

Leila Rodrigues






13 comentários:

  1. Boa noite, Leila.
    Lindo texto.
    Emocionante como descreveu em detalhes, parecia que estava falando da minha mãe, que está no céu.
    Tudo de bom.
    Beijos na alma.
    Indiquei teu blog ao Prêmio Dardos.
    Está no meu blog Carinhos Em Selos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Patrícia Pinna. Grande abraço

      Excluir
  2. Emocionou com intensidade tuas palavras!
    Lindo demais esse amor de dona Neusa, das mães!
    Beijo Leila.

    ResponderExcluir
  3. APLAUSOS pra D.NEUSA e pra ti! Que lindo tudo o que li! Adorei e tiveste sorte, pois nem sempre assim é! Homenagem mais do que merecida! bjs às duas,chica

    ResponderExcluir
  4. Olá, Leila! Mas que texto, heim, amiga? Repleto de admiração, de carinho, de orgulho de uma filha; e por parte da mãe vi uma personalidade forte, vivendo a vida com amor e sem frescuras. Não acho que isso seja simplicidade, isso é a sabedoria dos grandes de espírito. Lendo seu texto fui me perguntando se isso, essa maneira de ser ainda existe!!
    Belo texto, Leila, você sabe da minha admiração pelo que você escreve e descreve tão bem.
    Meu carinho, e olha... dê um beijo de admiração na tua mãe, diga que é aqui do sul!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tais, fico feliz que tenha gostado. Li todos os comentários para ela (D.Neusa) que fica toda alegre. Ela ainda acho estranho ter amizade sem se conhecer, mas está aqui do lado agradecendo o beijo.
      Grande abraço Tais, obrigada pelo carinho de sempre.

      Excluir

Obrigada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quiser.
Grande abraço