quinta-feira, 16 de julho de 2015

Arcos, minha história com você!





Só quem se muda de uma cidade para outra em plena infância vai entender o que se carrega na mudança. Lágrimas, alguns brinquedos, saudade da avó e curiosidade. Foi assim que eu cheguei por aqui. Uma criança curiosa disposta a crescer junto com a cidade. Tudo era novo para mim. Para mim, para a minha família e para as 80 famílias que aqui chegaram na mesma época que nós. Éramos como imigrantes. "Um povo doido que chegou por aqui e sacudiu esta cidade para sempre!" Vindos de Campo Belo como eu, ou Lafaiete, São João Del Rey, Valença, Volta Redonda, enfim... Vindos de algum lugar. Sr. Paulo Marques tinha acabado de assumir a prefeitura e o sangue de crescer corria em suas veias. Sim, eu cresci junto com esta cidade!
Como não aprender com o primeiro amigo do meu pai Sr.Tuta, alguém que sem saber direito quem éramos nos recebeu em sua casa de portas abertas? Antonio Cardoso e Iva, verdadeiros irmãos que meus meus pais têm até hoje. Isso é aprendizado para a vida toda! 
Também cresci sobre as ordens do Sr. Trajano na Escola Berenice, cresci esperando a aula debaixo do Cristo, cresci no caramanchão da praça, nos jogos do poliesportivo ou em cada disputa acirrada do Ypiranga e Associação. Meu pai me ensinou a ser honesta, mas certamente alguns comerciantes como o Zeca, Sr. Lino, Sr. Edinho, Paulo Ribeiro e Chicão, sem perceber me ensinaram como tratar um cliente. Com o Waldo e o Dimas aprendi amar Matemática, com o professor Janer aprendi o segredo do sorriso; com D.Verinha e Dona Lázara descobri o amor pelas palavras e com a meiguice da professora Leninha descobri que ciências não era tão ruim assim.
Com a minha turma do curso de magistério aprendi a minha primeira grande lição de mercado, para quem tem um sonho e disposição nada é impossível! Conseguimos formar e fazer a nossa viagem dos sonhos, a primeira vez que eu vi o mar. Dona Sônia, sou grata por todas as aulas de didática e até hoje coloco em prática muito do que aprendi com você. Minhas queridas amigas do curso de magistério, eu carrego comigo saudade e gratidão pelas lições que passamos juntas.
Se era para dançar, lá estava o Tio Patinhas! Ah como eu dancei naquele lugar! Eu e toda geração dos anos 80 que passou por Arcos. Tom Bege foi um capítulo da minha vida. Um lugar que tinha a nossa cara, o nosso jeito. Como eu ficava à vontade na janela ou na varanda do Tom Bege! Quantos amores não começaram naquela janela? Arcos tinha uma energia tão contagiante que era impossível não se apaixonar por este lugar. Tínhamos show no Poli, baile do Clube, rock na Praça e Donizete Bernardes pra deixar tudo ainda mais encantador. 
Tinha os garotos da Rua Paulo, o murinho do fórum, o cinema na segunda e o imperdível desfile do dia da cidade com a fanfarra do Estadual. Meus primeiros alunos da Escola da Vila, lições trocadas que enriqueceram a minha história. Meu primeiro emprego, Escritório Contábil Arcoense e a grande amiga que continua amiga até hoje. 
Não poderia deixar de falar do Niterói onde eu passei a maior parte da minha vida, onde o frio chega primeiro e a vizinhança era parte da família. Café da tarde no sábado na casa do Sr. Farnese. Tardes riquíssimas de grandes lições que ele nos dava com a sua simplicidade e atenção! Lições de vida, lições de viver!
Hoje quando ouço os Seresteiros de Arcos tocando me emociono. E penso que devo ao meu pai tudo isso. Foi ele que nos trouxe, foi ele quem amou esta cidade antes de nós e nos mostrou que aqui construiríamos nossas vidas. Eu era apenas a Leila do Deco ou a irmã do Dinho, a irmã do Godzilla, a irmã do Marcelo... Mas uma eterna apaixonada por este lugar!  Você pode até achar que a cidade não te influencia, mas eu posso te garantir que foi com esta cidade, que eu aprendi ser quem eu sou. E toda vez que eu cruzar o trevo de Pains e enxergar as primeiras luzes deste lugar, meu coração vai bater feliz por saber que  Arcos está logo ali!


Leila Rodrigues

Foto: Leôncio Alves - facebook.com/leoncio.junioalves
Publicado no Jornal JC - Arcos em 16/07/2015

Certamente muitos nomes importantes dessa história não foram mencionados. não por desmerecerem, mas por não caber em um espaço pequeno para tantos anos de convivência. A todos os meus amigos Arcoenses que participaram comigo desta trajetória, minha gratidão e meu carinho.

2 comentários:

  1. Nossa Leila que texto lindo,me emocionei com cada palavra.bjbj

    ResponderExcluir
  2. Amor por uma cidade, não deixa de ser uma forma de amizade. Sobretudo quando proporciona e abriga tantas amizades. Aproveitando a data: Feliz dia do amigo e da amizade!

    Um abração.

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço