domingo, 3 de maio de 2015

Meninas de ontem





Você tinha os cabelos encaracolados e a minha mãe sempre dizia que isso não era um bom sinal. Eu tinha um cabelo de franja e gostava de cantar. Foi um tempo de sonhos simples e puros. Quando tudo que eu queria era dançar no grupo Corpo enquanto você sonhava em ter todos os discos do Pink Floid. Ainda podíamos fazer poesia e deixar dentro do caderno para que o outro lesse na manhã seguinte. E quantas vezes eu fiquei agarrada a você ouvindo Save a Prayer e mirando seus olhos verdes. Talvez querendo que o mundo acabasse ali mesmo para que eu continuasse eternamente sua e você eternamente meu.
Durou pouco! Durou pouco a música. Durou pouco a febre que movia nossos braços rápidos de desejo. Durou pouco o tempo de nossa juventude. Tão pouco que eu não consigo me lembrar das tantas noites lindas que tivemos. Só me lembro do seu violão parado em um canto enquanto você dançava comigo no meio da sala sem móveis, da república onde você morava. Era Duran Duran. Era Save a Prayer. E eu era apenas uma menina apaixonada pelo moço de olhos verdes.
O tempo levou nossas folhas e nos outonos que se seguiram não houve mais tempo para a paixão. O ônibus lotado não comportava corações transbordantes. Era preciso deixar o coração em casa e sair apenas com a razão. A vontade de chegar a algum lugar era bem maior que a sede dos meus hormônios tímidos. Entre soluços e provas de português logo aprendi que os príncipes não viriam me buscar para o baile. Nem para o baile nem para lugar nenhum. E que, se eu quisesse mesmo chegar a algum lugar, eu que tratasse de dar meu jeito e chegar lá.
E assim como muitas meninas de ontem que queriam algo mais além de um sobrenome novo, eu fui. E cheguei lá e depois acolá. Até não enxergar mais o caminho de volta. E você enxergou novos encantos em velhas amigas. E construiu seu mundo sem lembrar-se do nosso sonho de morar em Itaparica e ter três filhos. Eu me apaixonei outras vezes e numa dessas decidi criar meu ninho e dar sentido à minha existência.
Hoje vi você passando com a família. Não era você. Não aquele que eu conheci. Mas quem te viu também não era eu e sim aquela menina de tempos atrás. Um minuto de lembrança, eu confesso. Já passou! Dizer que dentro de mim não há exatamente nada daquela menina talvez seja mesmo verdade. O que não muda morre. E nós optamos por mudar. Mas para não dizer que o tempo leva tudo, sempre que ouço Save a Prayer, imagino que estou dançando em alguma casa antiga da Rua Luis Delfino, 931.

Leila Rodrigues

Publicado no Jornal Agora Divinópolis em 07/04/2015
Imagem: Lídia Brondi ( a musa de tantos jovens dos anos 80)

Deixo aqui um clipe da Música Save a Prayer – Duran Duran que sugiro ouvirem enquanto lêem esta crônica.


2 comentários:

  1. O tempo registra em nós lembranças eternas... Somos felizes por darmos esse espaço precioso para enfrentarmos a realidade de hoje, nos sonhos de ontem!
    Linda música!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Ahhh Leila, que golpe baixo teu texto.

    Conseguiu arrancar lágrimas aqui do outro lado. Me coloquei no lugar da narradora e ao mesmo tempo algumas lembranças vieram à tona.
    E a unica conclusão que chego... tudo foi bom, enquanto durou!

    #ameeei #obrigada

    Grande beijo

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço