quinta-feira, 2 de abril de 2015

Maçã com canela




Tudo começou com uma pneumonia que ele teve ainda jovem. Eles mal tinham acabado de se casar. Ela assustada quis cuidar dele. Era a primeira vez que cuidava de alguém. Não poupou esforços. Por recomendação médica ela cozinhou as maçãs até ficarem bem macias e perfumou-as com uma generosa pitada de canela. Ele, acamado e sem fome se recusava a comer. E ela então se ofereceu para comerem a dois. Comeram vagarosamente enquanto conversavam. Conversavam, comiam e faziam os planos. Os filhos, uma casa, um emprego melhor. Sem se dar conta ele comeu a maçã prescrita pelo médico.
No dia seguinte ela veio de novo com a maçã, e no outro e no outro também. Até ele se curar por completo. A doença se foi e o ritual da maçã ficou. Toda noite ela servia duas porções de maçã com canela e eles comiam juntos. Enquanto comiam falavam do dia, falavam dos filhos, falavam de si. E dormiam como o cotidiano permitia. Houve tempos em que a maçã foi comida com um dos filhos no colo, ou senão com dois. Houve noites em que a maçã foi comida em absoluto silêncio e ainda houve outras noites em que cada mordida carregava um olhar e um sorriso perverso de quem queria mais que a maçã. Doces e quentes noites!
No inverno a maçã era comida quentinha. A fumaça perfumada recendia pela casa e esquentava o ambiente. No verão, a maçã era servida bem gelada,  na varanda para aproveitar a fresca da noite.
Os anos se passaram. Quando ele viajou para Recife a trabalho, ela sentava sozinha, na mesma hora de sempre e saboreava a maçã dos dois. Quando ela operou, ele preparava a maçã e a servia toda noite. Quando o dinheiro ficou pouco, ele descobriu no sacolão as sobras de maçãs mais baratas. Quando ele subiu de posto, encomendou maçãs argentinas. E quando ela resolveu estudar mais um pouco, ele a esperava com as maçãs antes de dormir.
Os filhos cresceram. Ele perdeu os cabelos, ela ganhou alguns quilos. Eles mudaram de casa, de carro, de cidade, de trabalho e de vasilhas de servir maçãs. Veio o microondas, facilitou o preparo. Vieram as doenças, dificultaram os momentos. Ela se foi. E ele foi morar com o filho mais velho. A memória pouco funciona. Ele toda noite descasca vagarosamente uma maçã, salpica canela, aperta aquela tecla do micro-ondas que ele mal enxerga, aguarda o apito, retira do forno e se senta em frente à janela para saborear sua maçã. Certo de que em algum lugar, sua amada está fazendo o mesmo.

Leila Rodrigues

Publicado no Jornal Agora Divinópolis em 31/03/2015
Imagem do blog Panelinha (uma delícia de blog)

12 comentários:

  1. Emocionante e belo conto da sintonia e cumplicidade que vai tão bem no amor.
    Aplausos amiga.
    Carinhoso abraço mineiro de flor.
    Uma Feliz Páscoa para você e família.
    Que bom ver você com seus belos textos.

    ResponderExcluir
  2. ...você me fez chover por dentro!

    amo maçã, amo canela,
    e amo você!

    muahhhhhhh, lindeza!


    ResponderExcluir
  3. Olá Amiga Querida:

    Saudades do casal!
    E os filhões,tudo bem?
    Bom receber vc em campos meus de girassóis!
    Estou me lembrando de vocês dias todos esses últimos,por estarmos organizando um Encontro com amigos blogueiros do extinto Globo On Linners, e uma amiga mestra da escrita portuguesa,que vem da Suissa mais uma vez para Encontros!
    Abraços ao maridão
    Viva La Vida!

    Ricardo

    ResponderExcluir
  4. Oh, que história linda! De maçãs, canela e amor. De tradições, que fazem tão bem a vida familiar, porque perduram sobre o tempo e sobre as ausências que a vida impõe... Adorei, coisa mais linda de se ler!

    Beijos! E uma Feliz Páscoa!!!

    ResponderExcluir
  5. Hábitos e rotinas que nos energizam... E, em tudo há sempre um começo, um recomeço e um final... O sabor pode mudar: maçã ou vinho... Mas, o aconchego embala a saudade retida! Lindo conto! Lindo momento de lê-la...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Lindo texto, invejável história. Fez algumas lagrimas rolarem... Bju

    ResponderExcluir
  7. Olá, Bom dia,Leila
    Linda crônica...
    ...não é preciso que gostemos de tudo o que a/o parceira goste, mas é importante que existam algumas coisas que possam fazer juntos e que ajude a sentirem-se mais ligados , até para uma aproximação maior ainda do casal, através da cumplicidade e da harmonia de alguns hábitos...
    Agradeço pelo carinho da visita,belos dias,beijos!

    ResponderExcluir
  8. Boa noite, Leila. Emocionante texto. O cassl passou por tudo de bom e de ruim e em meio aos problemas da vida se mantiveram juntos saboreando a maçã de todos os dias, que tinha um simbolista da mais linda afeição e cumplicidade.
    Nem a morte acabou com esse laço de amor.
    amo ler voce.
    Tenha uma semana de paz.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  9. Boa noite, Leila. Emocionante texto. O cassl passou por tudo de bom e de ruim e em meio aos problemas da vida se mantiveram juntos saboreando a maçã de todos os dias, que tinha um simbolista da mais linda afeição e cumplicidade.
    Nem a morte acabou com esse laço de amor.
    amo ler voce.
    Tenha uma semana de paz.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  10. Leila.
    Um texto emocionante muitas vezes na sensibilidade que estou
    confesso vi no seu texto o amor além da vida.
    Deixo meu carinho espero estar bem logo
    nem imagina quanto minhas amizades me fazem bem.
    Um feliz e abençoado final de semana.
    Hoje fiquei emocionada ao ver uma homenagem
    que fiz a você a algum tempo no meu blog.
    Era feliz e não sabia.

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço