quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Vida no interior




Olá pessoal,

Através do meu trabalho, tenho a oportunidade de conviver com pessoas em várias cidades do país, inclusive as capitais. Sempre nos demos muito bem, mas, nesta convivência, aprendi que, às vezes é preciso deixar claro a que viemos e quais são nossos propósitos.  Vida no interior vai falar sobre isso. Espero que gostem.
A foto é uma homenagem à cidade de Arcos, onde eu cresci e me tornei quem eu sou.
Este mês o Palavras faz dois anos. E na semana que vem teremos uma postagem especial de aniversário. Convido a todos para comemorarem comigo.
Abraços e Boa leitura!

Leila Rodrigues



Vida no interior


Tudo começa com o galo cantando. É ele que anuncia o dia ainda antes do sol nascer. Depois vem o cheiro de café coado na hora o biscoito frito e a neblina da manhã na serra. Só quem vive aqui sabe que privilégio é esse. O rádio conta as notícias da noite. Daqui, da redondeza e do resto do mundo. Enquanto tomo o café ouço as notícias e verifico a agenda do dia. Depois do café começa o corre-corre. 
Reuniões, discussões, decisões e muito trabalho. Todos correm. A luta de quem vive no interior não é menor que a da cidade grande. O que se percebe muitas vezes na nossa convivência com quem está nos grandes centros, principalmente se este grande centro está em outro estado, é que eles acreditam que no interior só existe pasmaceira e que nossos neurônios trabalham na velocidade dos jegues. 
Alto lá! Aqui existe inteligência, adrenalina, correria, empenho e muita dedicação. Não é porque eu gasto 00h15min para fazer o percurso casa-trabalho que eu tenho tempo de sobra para dormir depois do almoço. Aqui também se planeja, executa, monitora, entrega, solicita, compra e vende. Assim como vocês que estão do outro lado da serra. Nossos dias são corridos como o de qualquer outro cidadão. 
Depois do trabalho vem o inglês, o MBA, a faculdade, o esporte, o dever de casa do filho, o grupo de estudo, a reunião, a internet... Como acontece em Xangai, Berlim ou em São Paulo. O que nos difere é que o nosso tempo de ir e vir é bem menor, nossos letreiros luminosos ofuscam menos nossos olhos cansados e a quantidade de pessoas é proporcional ao PIB de nossas cidades. 
Não somos alienados, sabemos muito bem que a diferença é grande. Mas isso não significa que a inteligência não reina em nossas cabeças. Para qualquer um que venha negociar ou discutir conosco, preparem-se, porque vocês podem se surpreender. E venham com conteúdo porque vocês vão precisar de muito para nos convencer de alguma coisa.
Perdemos em oportunidades e possibilidades, mas ganhamos em qualidade de vida. Ganhamos um pouco mais de tempo com as pessoas que amamos, ganhamos um pouco mais de endorfina e alguns créditos de anos na conta da vida de cada um. Perdemos quando concorremos com os metropolitanos por estarem eles no centro do furacão, mas ganhamos quando se avalia a coragem de competir com o adversário cada vez mais difícil. Afinal, passamos a vida inteira tirando leite de pedra.
Lutamos para sermos reconhecidos, lutamos para cumprirmos nossos compromissos, para entregar nossas metas e para vencermos o desafio de crescer sem perder a nossa identidade. Lutamos para que nossas cidades cresçam e se desenvolvam, mas também lutamos para que nossa cultura, nossa história e nossos valores sejam preservados. 
Não queremos nos comparar a ninguém, mas não podemos aceitar que nos diminuam pelo nosso jeito simples de ser ou o nosso sotaque interiorano.
Pode ser que no fim do dia, quem vive na cidade grande tenha as mais diferentes e desafiadoras possibilidades e eu tenha apenas o cheiro doce do manacá e meu velho e bom computador, que, diga-se de passagem, me leva aos mesmos lugares que o seu.


Leila Rodrigues

Texto publicado no Jornal Agora Divinópolis em 29/01/2013

14 comentários:

  1. Maravilhosa tua crônica e deste bem a idéia, do que se passa numa cidade pequena, que tem o galo a cantar e enfeitar os dias, mas tem também todas as atividades e compromissos que as grandes apresentam. Adorei! beijos, tudo de bom e sempre um prazer te ler! chica

    ResponderExcluir
  2. Leilamiga

    Não venho aqui para te dizer, aliás uma vez mais... - que escreves muito bem e que tens uma imaginação que não é muito frequente em quem conta um conto. Isso é, para mim, ponto assente e...ponto final, parágrafo, na outra linha. Excelente.

    Venho sobretudo para te relembrar o concurso que vem lá na nossa Travessa. Concorre já É uma ordem! rsrsrs

    Qjs

    Henrique

    ResponderExcluir
  3. MARAVILHOSA REALIDADE!
    Leila, caipira também, com muita honra e dignidade, aos dezoito anos fui para SP... Ilusão de crescer e melhorar de vida! Sim! Isso aconteceu, mas depois de 20 e tantos anos por lá, retornei ao meu bom e velho interior onde minha qualidade de vida não se compara a nenhum 'doutorado' adquirido! Parabéns pela crônica da vida real!
    Bjs. Célia.

    ResponderExcluir
  4. É isso Leila! Cada um com sua bagagem cultural, suas vivências e mais ainda, tendo como estilo de vida o que realmente importa.
    N interior, não importa a marca da roupa, e sim estar vestido. Não importa o modelo de carro, o importante é ir e vir com a liberdade que a vida permite. E que coisa maravilhosa, no fim da tarde contemplar o dormir do sol, enquanto nos grandes centros nem sabemos se o sol já se foi...
    Crônica encantadora e cheia de detalhes que me encantou.
    Bjks doces!

    ResponderExcluir
  5. Já vivi no interior e sei o quanto é bom.Parabéns.

    ResponderExcluir
  6. Leila, belo texto, durante 5 anos trabalhei no interior, e depois meu outro trabalho me possibilitou conhecer várias cidades pequenas do Estado da Bahia. Concordo com o que diz na vida no interior, me identifiquei com esse belo texto. Parabéns pelo blog e já estou te seguindo. Abraços.Sandra

    ResponderExcluir
  7. Fica claro no teu belo texto, que só seremos felizes onde germinam as raízes onde, apesar de distantes, ainda permanecemos!...


    Beijos,
    AL

    ResponderExcluir
  8. Parabéns pelo texto, mas também pelo aniversário do seu blog.

    Bj!

    ResponderExcluir
  9. Leilinha,

    Tudo bem? Parabéns pela clareza e inteligência do texto!

    Moro em Maceió que é uma capital, mas com distâncias pequenas. Já ouvi de várias pessoas que moram em grandes capitais que a minha vida é só praia. E aí, dou risada porque só consigo curtir praia em janeiro e olhe lá.

    Enfim, há, ainda, preconceito por ser nordestina e que por sinal não existe sudestino.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Oi, Leila!
    Na sua crônica, você fez uma descrição perfeita de uma cidade do interior.
    O texto é tão delicioso que dá vontade de continuar lendo.
    Um excelente fim de semana!
    Quando puder, faça uma visitinha!
    Beijocas!

    ResponderExcluir
  11. Leila,

    Que delícia de texto! Não trazendo apenas o sabor do interior, mas também a inteligência das pessoas que habitam essas cidades consideradas pacatas, mas cheias de um corre-corre que os "da cidade grande" pensam inexistir. Sou feliz por ter nascido e sido criada numa cidadezinha exatamente assim! Com o passar dos anos, vim atrás das possibilidades, mas é inquestionável o que ficou para trás em termos de qualidade de vida... uma pena não poder dar isso a meus filhos!

    É rico seu texto, de dar orgulho a quem sabe bem como é a vida do outro lado da serra. Um grande beijo!

    ResponderExcluir
  12. Muito bom! Uma postagem de luxo.
    Obrigado por compartilhar. Beijo

    ResponderExcluir
  13. Olá Leila, desejo que tudo permaneça bem contigo!

    Belo escrito, e recheado de verdades, pois, assim é viver em qualquer lugar do mundo, e, além do que não vejo orgulho nenhum em muitas vezes parecer um autômato nos grandes centros, onde pessoas passam umas pelas outras sem sequer se olharem, cada qual preocupada com o próprio mundinho!
    Agradecido por compartilhar belos escritos, que sempre expressam a tua sensibilidade e bom gosto, e também pela amizade e visitas.
    Assim deixo meu desejo para que você tenha sempre em teu viver esta intensa felicidade, grande abraço e, até mais!

    ResponderExcluir
  14. Muito bom poder ler seus contos! Adoro suas PALAVRAS! Parabéns pelo aniversario do seu blog que tem pouca idade mas muita história! Bjo Virgínia

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço