quarta-feira, 25 de julho de 2012

Acaso ou destino?




Ele não chegou de trem, muito menos de avião. Simplesmente chegou. Apareceu por essas bandas. Ela não chegou de lugar nenhum. Nasceu e cresceu por aqui. Seu sonho era um dia chegar de algum lugar. Ele sempre sonhou que um dia encontraria o seu lugar.
Ele veio para trabalhar, subir na vida.  Ela colecionava perfumes, fazia yoga, terapia, academia e gostava de fotos.  Ele planejava ter um cachorro. Ela planejava ter filhos. Ele já não tinha mais os pais. Ela tinha cinco sobrinhos e quatro melhores amigas.  Ela procurava alguém que procurasse alguém também. Ele não procurava nada, tinha acabado de encontrar o emprego dos seus sonhos.
Um dia se cruzaram na rua. Nem se viram. No outro se cruzaram de novo, no mesmo lugar. No terceiro dia perceberam a coincidência e se olharam. Ela reparou que ele estava mal vestido. Ele imaginou como seriam seus peitos.
No quarto dia se cumprimentaram. Ela sorriu. Ele a fitou. Ela se envergonhou. Ele desvergonhou. No quinto dia foi feriado, não se viram. Ela ficou a pensar onde ele estaria. Ele ficou a pensar como ela estaria. Ela imaginou que estivesse com alguém. Ele imaginou que ela estivesse pelada.
A segunda-feira custou a chegar.  Ela aumentou o decote. Ele aumentou os olhos. Ela o achou mais baixinho. Ele achou um jeito de chegar. Falaram por cinco minutos. Dados básicos. Nome, onde trabalham, coincidências do horário, profissão... Justificaram que estavam atrasados e foram cada um para o seu lado. Ela detestou o tênis dele. Ele adorou a pinta no rosto dela. Ela imaginou quantos anos ele teria. Ele imaginou quantas noites eles teriam.
Chegou o dia seguinte, a mesma hora e o mesmo local. Ele não apareceu. Ela ficou sem graça. Ele jogava Xadrez com um amigo. Ela jogava fora a esperança. Ela ligou para as amigas. Ele ficou na esquina jogando conversa fora.
Passou a hora, passou o local e quase passou mesmo a esperança dela. Encontraram-se no fim da rua. Ela o achou mais bonito desta vez. Ele a achou mais interessante ainda. Combinaram de encontrar no dia seguinte.  Ela sonhou com o encontro. Ele encontrou os amigos.
Ele pediu um chope. Ela pediu licença para ir ao banheiro. Ela falava de si. Ele falava dela. Ele gostava quando ela sorria. Ela sorria quando ele gostava. Ele a achou meiga. Ela o achou forte. Ele quis ficar a sós. Ela quis ficar a dois. Ela sentiu frio, de nervoso. Ele sentiu calor, de nervoso. Ela sentiu que era a hora. Ele sentiu que passava da hora. Abraçaram-se como dois amantes, se beijaram como dois adolescentes, se despediram como duas crianças.
Hoje eles têm dois filhos, um cachorro, uma calopsita, um aquário, um rancho e muitos amigos.
...E vivem como um casal que se ama.

Leila Rodrigues
Imagem retirada da internet

33 comentários:

  1. Querida Leila...
    saudades..
    estou participando de um congresso... volto pra comentar..

    bjinhos muitos..

    ResponderExcluir
  2. Bela história...Espectacular....
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  3. Parabéns!!Que lindo e instigante conto,prendes até o fim a atenção.Adorei! beijos praianos,chica

    ResponderExcluir
  4. Olá que lindo o seu blog, amo contos assim. Se permitir estarei a seguindo

    ResponderExcluir
  5. Olá que lindo o seu blog, amo contos assim. Se permitir estarei a seguindo

    ResponderExcluir
  6. A vida como ela é sempre tem um final feliz quando não exigimos nada, apenas nos dedicamos. Tudo se constrói.
    Bj. Célia.

    ResponderExcluir
  7. Acho que foi destino.
    Bela história Leila.
    Xeros

    ResponderExcluir
  8. Acaso ou destino
    De você não me vou esquecer
    Cheguei aqui para te ler
    No teu confortável cantinho!

    Se ela imaginou
    Mas não disse o que pensava
    Se ela coleccionava
    Mas o que era não contou!

    Boa quinta-feira para você,
    um beijo
    Eduardo.

    ResponderExcluir
  9. Uma história de acasos e de vida cotidiana, mas contadas de uma maneira peculiar.
    Adorei!
    Beijokas doces

    ResponderExcluir
  10. Olá Leila,

    Adoro os acasos da vida, especialmente quando são contados com sua habilidade e perspicácia. No fim das contas, quando olhamos para trás, percebemos que cada acaso foi, na verdade, um encontro marcado... pelo destino, talvez!

    Lindo conto!

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Ola querida amiga,
    Hoje é apenas para agradecer a sua carinhosa presença no meu cantinho.
    Muito obrigada!
    Uma linda Noite para voce.
    abraço muito amigo
    Maria Alice

    ResponderExcluir
  12. Oi Leilinha,

    Boa noite! Tudo bem lindinha? Um texto para avivar a esperança e quem sabe abraçar o destino. Diria que independente do acaso, há vida.

    Adorei o seu comentário por lá e te digo que não chat para conversar, mas um telefone que vou te passar no email e um coração para conversar com você a qualquer hora.

    Ah, envia para o email as coordenadas que estou ansiosa para começar.

    Beijos amiga querida,

    Lu

    ResponderExcluir
  13. Olá Leila.

    Parabéns! Muito bom mesmo. O acaso é uma "conspiração" do destino. Cabe a cada um perceber, aproveitar...

    Um abração e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  14. Leila, lindona!
    Tudo bem?
    Lindo texto e tenho algumas inquietações que você colocou neste conto, pois já me ocorreram diversos fatos, que não sei se por coincidência, destino..., mas que poderiam ser obra de pura ficção, tão somente, mas aconteceram, que me fizeram questionar sobre como as coisas ocorrem na vida, como se fosse um quebra cabeças que vai se encaixando, com ou sem nossa força.

    Beijos e ótimo domingo!

    ResponderExcluir
  15. Minha querida

    Como sempre contas esses casos de vida, que podem ser de qualquer um,mas de uma maneira que prende do princípio ao fim e eu adoro ler-te.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  16. Querida Amiga....saudades....quando
    vc vem pra São Paulo?

    Li seu conto sorrindo e torcendo para um final feliz. Adoro finais felizes..

    Lembrei da musica Eduardo e Monica..rs

    Mas agora te digo.. Sou tua fã...
    vc escreve lindamente...amei..

    Bjs.......não some... saudade dói..

    ResponderExcluir
  17. .


    Vivem felizes como um casal
    que se ama e agora, vindo das
    férias das crianças terão no-
    vamente as raízes para cuidar.

    Beijos do,

    Palhaço Poeta







    .

    ResponderExcluir
  18. Olá, Leila. Adorei o conto. Vc escreve lindamente! Uma bela história de amor. Obrigada amiga pela partilha! Agradeço todo carinho da sua visita. òtimos dias pra vc! Bjos carinhosos.

    ResponderExcluir
  19. Olá, amiga Leila!
    O conto muito é saboroso e bem escrito.
    O amor não segue as regras do destino nem do acaso, nem leis, razão ou regras, pois é instintivo e tem suas próprias razões.
    Uma história que tem o epílogo em happy end é sempre agradável.
    Sua narrativa e linguagem são admiráveis, além da perfeição na gramática.

    Magnífico conto, amiga!

    Abraços do amigo!

    ResponderExcluir
  20. Leila, lindona!
    Vim te agradecer pelo carinho dos comentários lá no Humoremconto.

    Muito obrigada!

    Beijos e ótimos dias!

    ResponderExcluir
  21. Minha amiga! Adorei! Sensacional! Muito obrigada pelo carinho e pela presença amiga! Dia 02 tem post novo! Ah! Não vai esquecer o níver de 01 ano do blog, hein.... dia 07/08.... Bjão no coração!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. O importante é que em toda história de amor, o que tiver de ser será...acontecerá...e por fim,,,o melhor,,,um final feliz....beijos de bom dia pra ti amiga...

    ResponderExcluir
  23. Suas estórias são tão lindas que prende a atenção sempre, gosto do teu jeito de escrever, amei.
    Um beijo em seu coração Leila.

    ResponderExcluir
  24. Olá Leila,

    Creio que o acaso são as teias da vida colocando cada um onde precisa estar.

    Sua maneira de narrar o conto é ímpar e muito envolvente.

    Adorei.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  25. Leila,que história mais bonita!Típico romance!Parabéns pela inspiração!bjs,

    ResponderExcluir
  26. OI LEILA!
    QUE HISTÓRIA LEGAL, ACHO QUE NÃO FOI ACASO, ATÉ PORQUE, EU ACREDITO EM DESTINO.
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  27. Que delícia ler seu conto! Além do foco, que a todos encanta, a forma como foi traçando as linhas ficou sublime. Parabéns!!!!!!! Bjs.

    ResponderExcluir
  28. Tudo acontece tal como tem de acontecer.
    Cadinhyo RoCo

    ResponderExcluir
  29. Leila boa noite! vim agradecer sua visita, fiquei muito feliz.
    Feliz tb que no final do conto, eles se casam e são felizes.
    Tenha uma noite linda e volte sempre, pois vou seguir seu blog.
    beijos carinhosos...

    ResponderExcluir
  30. Tens a grandeza e o dom da escrita, sorte minha que posso apreciar. Beijo
    Gostas de trens?

    http://tossanphotos.blogspot.com.br/2012/07/estacao.html

    http://tossanphotos.blogspot.com.br/2012/01/trens.html

    ResponderExcluir
  31. Muito interessante a forma como descreveu o encontro dos dois. Cada um tem uma história e você sabe muito bem colocar isso, com um certo ar de humor.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  32. ...Olá minha amiga fidalga !!!!!!
    Sei que estou em falta com vc ,mas te amo como sempre.
    Escrever bem sei o quanto escreves,criar um enredo com criatividade só vc que sabe esse lance...
    Conto lindo com um desempenho fantástico ...le acreditando que seu final tinha que ser feliz,rsrsrs...
    bjssssssssssssss

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço