quarta-feira, 14 de março de 2012

Do lado de cá



Bateu a porta e saiu. Deixou-a sozinha, encolhida no canto do sofá, com seu vestido de flores desbotadas pelo dia-a-dia. Fez-se um grande silêncio. Um silêncio ensurdecedor. Ela contou os ladrilhos, mediu-os sem desviar os olhos um só minuto do chão. Ficou ali parada por um tempo que nunca soube medir.
Seus olhos não choraram, sua alma estava completamente seca, árida como a terra que ela deixou um dia para viver um grande amor. Tanta dedicação, tanto cuidado não foi suficiente. Não foi o bastante. Era preciso se mover. Olhou ao seu redor. A casa fria, os móveis velhos, simples, apenas os indispensáveis, assim como tudo que foi vivido naquela casa. Apenas o indispensável, o necessário. E o amor fecunda no dispensável, na sobra, no desnecessário e desmedido.
Experimentou pisar no chão. Parecia flutuar. Era como se o chão não quisesse receber o seu corpo. Na parede, seu Santo Expedito, empoeirado, não encontrou os seus olhos.
As paredes encardidas, cálidas, pareciam dizer que não foi só ele que se foi; a vida naquela casa se fora também. Não agora, não junto com ele, mas certamente se fora. Olhou para a parede e procurou respostas para as perguntas as quais a parede remetia. Sua cabeça ainda estava no timbre da porta batendo.
A dor de quem fica do lado de cá da porta, cheira a prisão. Gaiola vazia. Libertar-se fica mais difícil porque a sensação é que a liberdade é direito de quem foi e não de quem fica. E ela havia ficado. Ficado com os restos, com as sobras, com as histórias e memórias de uma relação que chegou ao fim.
Caminhou até a varanda e olhou o tempo lá fora. Fechou vagarosamente a janela e depois a cortina. Trancou a porta. Só lhe restara os móveis e as paredes pálidas. 
No intuito de arranjar imediatamente companhia, ela olhou tudo e pensou: Vamos meus caros, ficamos apenas eu e vocês. Sofá, parede, relógio, cômoda... Por hora vamos todos dormir, que a hora agora não é de fazer. É preciso dormir. É preciso esquecer o som da porta batendo. É preciso não fazer nada por algum tempo. Amanhã começaremos alguma coisa, qualquer coisa. Algo que faça o tempo passar, algo que traga vida à minha vida e a este lugar.
Olhou novamente para a parede encardida, sorriu e pronunciou as primeiras palavras depois que a porta bateu:
- Amanhã lindinha, eu te pinto de verde! Será um bom começo!

Leila Rodrigues
Publicado no Jornal Agora - Divinópolis MG em 06/03/2012

50 comentários:

  1. E pintou então com o verde da ESPERANÇA!!! LINDO! adorei! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. É assim que se faz, amanhã é outro dia e a porta se abrirá a novos horizontes...

    Belíssima e incentivadora crônica. Leila.

    Um abraço,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  3. Na vida, como na Primavera, tudo renasce e se renova... até o amor! E quando se renasce é sempre mais forte esse renascer!!!

    Beijos,
    AL

    ResponderExcluir
  4. Querida que belo texto.Dor, solidão e recomeço.
    Nada melhor que um dia após o outro para recomeçar trazendo em si o verde da esperança.
    Escrevestes lindamente! Amei! Bjs no coração Eloah

    ResponderExcluir
  5. Lindo texto! Adoro a maneira como escreves!
    O recomeço dói, mas é necessário.
    Um grande bj querida amiga

    ResponderExcluir
  6. Boa noite minha amiga fidalga!
    Estava com saudades de ti ...muitas,por isso que te vendo agora vim logo matar saudades...
    Que andas fazendo por ai menina.mesmo sabendo que andas trabalhando muito.
    Vejo um texto bem redigido,como sabes escrever muito bem.Chega a ser comovente...
    bjs minha linda!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Leila

    Maravilhosa crônica.Só a dor da solidão para fazer acordar e tocar a vida em frente.
    Em cada amanhecer mais um passo para dar e o bom recomeço é pincelar de verde.

    Um lindo dia.
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Tenho um blog que comecei agora pelo motivo do Google ter deletado meus seguidores, passei e vi seu blog e gostei,e quero deixar um convite: Gostava que fizesse parte de meus amigos virtuais no blog Peregrino e Servo, retribuirei de seguida. Obrigado.

    ResponderExcluir
  9. Leila é um prazer e uma alegria te ler.

    Amei a sua crônica.

    Depois do luto..vem o renascer.
    Adorei a cor verdinha das paredes.

    Um beijo minha querida amiga!!!

    ResponderExcluir
  10. Leila,essa é a mulher de hoje: não foge á luta!E vamos pintar a parede de verde e vamos viver!Um belo e comovente conto!bjs,

    ResponderExcluir
  11. Oi Leila,

    Maravilha de texto! Leve e revigorante! Você descreveu a possibilidade do recomeço e que sempre há uma saída.

    Essa semana escrevi sobre solidão e vendo o seu texto, penso que fui talvez um tanto bucólica e que não foi o meu objetivo.

    Mais uma vez, lindo e intenso texto.

    Beijos.

    Lu

    ResponderExcluir
  12. Leila, talentosa!
    Você escreve muito bem!
    Fiquei pensando nos ciclos, do teu texto e os da vida, e tudo dá voltas mesmo, retorna ou se reinventa, e a possibilidade de darmos a volta por cima, quando o ciclo se fecha, é bem grande; e corrigir coisas, se precaver quando o ciclo esmorecer.

    Beijos, linda!

    ResponderExcluir
  13. Olá Leila!

    A vida segue, tudo passa (precisa passar!), pois todo fim guarda um novo começo, um recomeço. Obrigado pela visita e comentário lá no Blog.

    Um abração e um bom fim de semana.

    Antonio (Apon)

    ResponderExcluir
  14. ela ainda nao sabe, mas ele lhe deu a liberdade e um mundo de oportunidades. Lhe deu o empurrao para que ela se reinvente e procure a abundancia, o muito, o mais! Ainda bem que ele foi.

    ResponderExcluir
  15. Oi Leila!

    Como é bom ler o que você escreve, experimentar do seu talento!

    Tenho certeza de que ela pintou a parede de verde tão logo o dia amanheceu e até mesmo as flores desbotadas de seu vestido ganharam novas cores... A vida é assim, surpreendente. Quando nos parece faltar definitivamente o chão, é que descobrimos uma mola propulsora que nos leva de volta à superfície, abandonamos o abismo onde havíamos caído sem sequer percebermos. Se as paredes são pálidas, temos a opção de pintá-las, não é mesmo?

    Lindo conto, pleno de verdades e realidades. Um beijo.

    ResponderExcluir
  16. Visitando, conhecendo, gostei, fiquei, vou, volto.

    ResponderExcluir
  17. Nossa!
    Pra mim foi um chute no traseiro*, como dizem por aí... É bom ler essas histórias e perceber que todos têm momentos difíceis, mas que é preciso "aprender a esperar o dia seguinte", ter esperanças* por mais difícil que possa parecer...Amei!
    Obrigada por compartilhares; foi muito bom te ler nesse momento, nesse dia*.
    Beijinhos, amiga e tenha uma boa semana, Mery*

    ResponderExcluir
  18. Adorei o texto!
    Amanhã é outro dia...antes nao entendia essa coisa de amanhã, nao queria esperar o amanhã para resolver nada, mas com o tempo percebi que o amanhã é nescessario para o recomeço...existem situações em que o tempo eé preciso para recarregar baterias, para superar a dor, para alcalmar os nervos... Entao como dizia Scarlett O´Hara "Agora não posso pensar nisso, amanhã, amanhã eu penso nisso" ou algo assim rsrsr

    ResponderExcluir
  19. Leila,passando para agradecer sua gentil visita e desejar uma boa semana!Adorei a ideia da sua avó que poetas são pássaros vestidos!...rss...Genial!bjs,

    ResponderExcluir
  20. Que lindo! Bem escrito, sensível, encantador. A melancolia existe, mas a esperança não foi embora.

    (Obrigada pelo carinho. Você é especial com as palavras).

    Bjs.

    ResponderExcluir
  21. Boa noite, querida amiga Leila.

    Bravo!!
    Que maravilha de conto...
    Menina, eu me vi dentro daquela casa encardida, o barulho da porta, o vazio.

    Quem fica do lado de cá parece mesmo condenado à sofrer, enquanto quem sai, terá novos horizontes.

    Pintar a parede é o primeiro grande passo. Vida nova!
    ---------------------

    Tenha uma linda semana de paz.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  22. Parabéns pelo teu cantinho.Amei! Bjs

    ResponderExcluir
  23. Um recomeço,

    Pintar com verde,

    Renovar as esperanças,

    Um beijo

    ResponderExcluir
  24. Buen final el de la historia. Saludos.

    ResponderExcluir
  25. Olá Leila,

    Bem-vinda ao meu recanto!

    Belo conto. Tão bem retratado em detalhes que acompanhei a cena.

    Sim, amanhã é dia de recomeço. Os raios de sol voltarão a iluminar a vida dela. A esperança já se fez presente na escolha da cor verde
    para as paredes. A vida é assim, feita de eternos recomeços.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  26. Leila querida! Muito obrigada pelo carinho! Adorei o texto! Muito bem escrito! Sempre é tempo de recomeçar! Ótimo início de semana! Grande e carinhoso abraço!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  27. Minha querida

    Uma dor muito real e bem contada que adorei ler.
    E que o verde da esperança faça morada nessa casa.

    Beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  28. Os sonhos podem até morrer, mas a esperança sempre renasce, nem que seja começando pelas paredes.E não é que a gente fica assim mesmo, quando algo sai do nosso controle, quando somos surpreendidas, há esse olhar estático, há essa necessidade de animar o inanimado.
    Adorei seu conto querida. Bom mesmo!
    Beijokas doces e uma boa semana.

    ResponderExcluir
  29. olá Leila

    obrigado pela visita e pelo seu carinho

    gosto de estar aqui.


    beijos!!

    ResponderExcluir
  30. Que a esperança seja sempre alimento da vida...da alma...dos sonhos...beijos de boa semana pra ti amiga.

    ResponderExcluir
  31. Lindo, inteligente, um conto q aprisiona aos leitores e isso é ótimo, pintura, pintar, apresentar-se novo(a) qtas vezes apenas isto renova e até inova relações, belo, pra vc linda poetiza bjos, bjos e bjossssssssssssssss

    ResponderExcluir
  32. Olá,Leila!!

    Nunca é fácil para quem fica...parece uma eterna espera(mesmo não sendo.).
    Mas que bela ideia ela teve, pra mim funciona!rsrs
    O importante é tentar mudar alguma coisa, tentar começar, recomeçar!
    Lindo o conto!
    *Minha querida quero agradecer, por seres sempre tão gentil comigo!Muito obrigada!Que Deus te abençoe!
    Beijos!Boa semana!

    ResponderExcluir
  33. Um texto de muita qualidade, eu gostei bastante!!! Parabéns!!!

    Desejo uma semana maravilhosa pra vc!!!

    ResponderExcluir
  34. Com muito carinho agradeço sua amizade
    desejo a todos nós uma semana abençoada e feliz.
    beijos no coração.
    Com saudades pois tive que me
    mais espero marcar minha presença sempre.
    Evanir.

    ResponderExcluir
  35. Olá Leila,
    Belo texto, amiga!
    Mas senti tanta pena dela, que ficou a olhar as paredes, num mudo grito de amor. Seu texto tem tristeza e melancolia, mas retrata com clareza o que ocorre na realidade de tantos amores rompidos. O pior de tudo: o bater da porta, denotando que não há mais volta.
    Obrigada pela visita la no blog.
    Gosto muito quando você me dá o prazer e a honra de ler minhas postagens.
    Paz e luz em seus dias, querida.
    Grande beijo.
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  36. Leila
    Gostei muito do conto, pois para quem gosta de arquitetura é o mominto ideal.
    Eu sou muito preguiçosa, se achar tudo pronto eu acabo adorando.
    Sabe que vou ficar mais perto de Divinopolis. Vou passar uma temporada em Oliveira.
    O apartamento é de meu sobrinho. Em Uberlandia.
    com carinho e amizade Monica

    ResponderExcluir
  37. Um texto maravilhoso que adorei ler!

    ResponderExcluir
  38. Oi Leila, você também escreve muito bem.
    Eu faço de tudo um pouco, poemas, cartões e textos, tenho mais 2 blogs, quando quiser dar uma espiada fique á vontade, estão na lateral do Poetando.
    Beijos e boa semana!

    ResponderExcluir
  39. Obrigada, Leila, pela mensagem de ano novo no Ruas e papéis... Fiquei um tempão afastada, mas acho que vou fazer como a personagem do seu conto (muito bom)... vou começar pintando minhas paredes e fazê-lo revigorar.
    Seu texto me fez bem.
    Boa noite, bom dia!
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  40. Olá, amiga Leila!
    Seu conto é muito comovente.
    Numa separação, a vida e tudo parecem mesmo frangalhos e cacos.
    És ótima prosadora. Tens excelente domínio da narrativa e da linguagem.
    Sabes usar muito bem as metáforas e os símbolos.
    A decisão de pintar de verde o lar da protagonista conota esperança de uma vida melhor.

    Parabéns pelo talento!

    Abraços do novo amigo!

    ResponderExcluir
  41. Minha querida amiga!
    Hoje venho vestida de blogueira para pedir e desejar felicidade prá vc,prá mim,prá nossos amigos que fazem esse mundo acontecer,virar,mexer,remexer o mundo do bloguista...
    meu recadindo para seus típanos;vc é uma blogueira da qual tiro o chapéu por ser boa comentarista,com porte de boa amiga da qual aprendi a amar como aquela amiga que mora do outro lado da nossa rua,que temos o prazer de sentir sua energia.Continue assim,que continuarei te amando neste universo tão globolizado,ou melhor,tão nosso,kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    bjs meu docinho de côco!

    ResponderExcluir
  42. Lindo e criativo texto! Bela forma de recomeçar! Parabéns, linda. Muito grta por sua visita e comentário em meu Blog.
    Bjssssss

    ResponderExcluir
  43. Leila,

    É uma delicia ler tuas palavras... nelas me envolvo. E fico!

    Beijos,
    AL

    ResponderExcluir
  44. Parabéns pelo dia do blogueiro!

    Blogar é partilhar sentires, saberes e pensares. É criar pontes virtuais para pessoas reais, fazendo das palavras, sementes multiplicadoras do seu melhor.

    Um abração. Feliz dia do blogueiro! Boas blogagens!

    Antonio (Apon)

    ResponderExcluir
  45. Boa tarde, Leila. Muito bonito o seu texto.
    Um amor quando termina sempre deixa profundas marcas, e somente o tempo é quem irá se encarregar de fazer um recomeço com a disposição de quem ficou, ainda muito perdida, sem chão, sem saber o que fazer.
    Isso tudo certa hora passa, quando nem imaginamos, quando o nosso coração estiver aberto para o amor, ele será colocado ao nosso lado, e viveremos um ciclo novo, repleto de possibilidades felizes, e o que passou terá um lugar no nosso coração à nível de enriquecimento e aprendizado de vida.
    Parabéns!
    Um beijo na alma, e fique na paz!

    ResponderExcluir
  46. Parabéns para nos que tanto carinho temos pelas nossas amizades
    quantos vezes mesmo cansados procuramos de alguma forma acarinhar
    nossos amigos(AS).
    Na verdade ao longo do tempo fez nossa amizade crescer
    hoje somos como irmãos .
    Uma verdadeira nação de blogueiros unidos no amor.
    Um beijo carinhoso pelo nosso dia.
    Que muitos anos possamos comerar cada vez mais unido essa Dia.
    Carinhos meus.Evanir..

    ResponderExcluir
  47. Bebi, sofregamente, cada linha do seu conto.
    Só posso dizer magnifico, envolvente com um final feliz.
    Paragens.

    ResponderExcluir
  48. Lindo seu blog!.
    Voltarei para fazer outras visitas.
    Já estou te seguindo bjs.

    ResponderExcluir
  49. Estou encantada com este silêncio que fala e traduz tantas coisas e se simplifica numa porta verde. Excelente!
    Li um comentário teu lá na Anne Lieri e resolvi conhecer teu blog. Adorei a porta de entrada. Beijo

    ladodeforadocoracao.blogspot.com

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quiser.
Grande abraço