sábado, 19 de novembro de 2016

Metamorfose



Não tem muita explicação. A coisa acontece e pronto. Um dia você se pega ouvindo mais e falando menos; percebendo mais e opinando cada vez menos. 
Alguns chamam isso de maturidade, outros de experiência. Eu gosto de dizer que é o tempo da serenidade que chegou. 
O tempo da serenidade chega mansinho, sem alarde. Geralmente fruto de nossos silêncios e de nossas vivências. E quando ele chega, muitas coisas perdem o sentido e outras novas tomam seu lugar.
As frescuras da moda, por exemplo, não cabem no tempo da serenidade. A altura do salto, o tom da gravata; a ultima coleção. Todos eles saem e entram o conforto e a leveza nas nossas escolhas. A pressa de chegar se rende ao respeito pelos nossos limites.  E a prepotência do poder perde o sentido para o humano que existe dentro de nós.  No tempo da serenidade os verbos controlar e exigir soam estranho aos nossos ouvidos. É a grande metamorfose humana. Quando a velha e pesada roupa dos títulos, aquela que nos levou a atingir níveis cada vez mais altos, já não nos cabe mais. É quando voar deixa de ser para atingir o topo e passa a ser apenas para descortinar a paisagem. 
E quando o tempo da serenidade chega, estar sentado no trono ou não, não faz a menor diferença. A esta altura você já terá naturalmente se tornado um líder. Pode caminhar tranquilo pela calçada da vida, que seus seguidores encontrarão seu rastro. 

Leila Rodrigues

Publicado no Jornal Agora Divinópolis e no JC Arcos
Image da Internet

Olá pessoal,

mudanças fazem parte de nossas vidas. Ainda que ficássemos parados no mesmo lugar, mudamos de opinião, mudamos de lado, mudamos nossos gostos no decorrer dos nosso dias. Mas a grande mudança do homem ocorre quando ele se percebe humano no real sentido da palavra. A isso eu chamo de metamorfose. Que ela aconteça com você e te faça um ser humano melhor e mais feliz.

Grande abraço

Leila Rodrigues



2 comentários:

  1. Vivo minha total metamorfose serena... Incomoda há muitos... Mas, a mesma me faz um bem enorme... Nada mais é preciso... Apenas voos rasantes na paisagem da vida!
    Realista e tocante crônica, Leila!
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Querida Leilamiga

    (...)A esta altura você já terá naturalmente se tornado um líder. Pode caminhar tranquilo pela calçada da vida, que seus seguidores encontrarão seu rastro.(...) Reencontrei-te, felizmente reencontrei-te. Depois das confusões diversas por que tenho passado já voltaste a pertencer aos blogues que sigo.

    Este texto é uma pequena maravilha - por isso transcrevo o seu final que é lindo. Parabéns! E agora vai ao blogue! É uma ORDEM!!!! :-))))

    Qjs do Henrique, o Leãozão

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço