segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Escolha Singular





Mesmo que não saísse nada, todo dia ela ia para a escrivaninha com o propósito de fazer algo útil. Papéis, livros, fotos e seu computador surrado conviviam bem com aquilo que ela chamava de "desordem natural". E ela parecia se encaixar perfeitamente naquela bagunça sem ter que desviar um lápis qualquer do lugar, ou melhor, fora do lugar.
Que nada! Era apenas a sua aptidão normal pela bagunça. Não sabia explicar porque, mas se sentia plenamente confortável no seu quarto em desalinho. Na sua cabeça esse desleixo era um convite "fique à vontade aqui"! Fora do quarto, o mundo era um quartel-geral. Tudo com hora marcada, lugares marcados, uniformes bem passados, cabelos chapados, maquiagem impecável, que chato!
Para contracenar com a ordem de tudo, usava a desordem do quarto. Eis o equilíbrio! E era neste quarto tão peculiar que ela procurava "organizar" a sua cabeça.  
Naquela madrugada de outubro, ela ouvia os barulhos da cidade. Idas e vindas de uma gente ligada, buscas e encontros. Não teve vontade de sair, não quis se juntar aos demais. Seu quarto era pequeno, mas grande o bastante para caber-se nele. Questão de identidade.
Jogou paciência no computador até perder a paciência. Trafegou sem rumo na rede social até perceber que de social ali não tinha nada. Um monte de pessoas lavando suas roupas indiretamente em público. Recados torcidos que não lhe faziam sentido algum. Uma guerra de opiniões sem propósito dividia as pessoas em grupos e esses grupos em inimigos. Pessoas procuravam desesperadamente um par que resolvessem seus problemas. Afetivos e definitivos. Definitivamente não conseguia se encaixar em nenhum desses perfis.
Ela procurava entender onde estava seu problema, afinal, aquela telinha era o destino de 99% dos solitários de sábado à noite! Mas, fazer o quê se não lhe cabia?
Abraços virtuais não matariam a sua sede. Ela queria mais para si do que 20 minutos de falsos elogios. Na rede todos são perfeitos  e ideais. E ela gostava demais da sua imperfeição para permitir-se a isso. Amar um avatar não resolveria seus problemas.
Restava mesmo seu quarto. Seu quarto, seus pertences, seus segredos. Dentre todas as escolhas, optou por si. Pelo que tinha de mais concreto e verdadeiro à sua volta. Uma escolha singular e consciente. Abraçada à sua cadela Nina ela se atirou no chão e foi  brincar. Aquela noite as duas passaram ali mesmo.


Leila Rodrigues
Imagem da Internet
Publicado no Jornal Agora Divinópolis em 04/11/2014




Caro leitor,

Por força das circunstâncias fiquei impossibilitada de postar.  Mas os textos já estão de volta e continuam semanalmente no Jornal Agora Divinópolis, toda terça-feira e agora também no Jornal da Cidade – Arcos MG aos sábados. Pelo mesmo motivo não tenho visitado os blogs dos amigos e confesso que sinto muita falta, afinal, quem escreve se alimenta da leitura. Mas já já tudo volta ao normal.
Agradeço de coração àqueles que continuaram visitando o “Palavras” mesmo sem novos posts. Muito obrigada! Vocês mantiveram o blog com o mesmo número de visitantes!
Que a leitura nos melhore, nos contribua e nos represente!!!
Abraços em todos!

Leila Rodrigues


7 comentários:

  1. Leilamiga

    Ainda bem que voltaste, já tinha saudades de tu [não gosto de ti, ups, do ti... :-) :-)].

    O texto é, como sempre, muito bem escrito e agradável; mas não era preciso passar a noite agarrada à tua cadela: há por aí muita gente que gostava de o fazer. Podes crer... :-)

    Qjs

    ResponderExcluir
  2. Leila, que maravilha! Com tanto que a rodeava, via a futilidade em tudo aquilo e precisava mais, muiiiito mais. Encontrou a verdade no carinho despretencioso da Nina, sua cachorrinha! Adorei! Bom te ver! bjs, chica e linda semana!

    ResponderExcluir
  3. Muito bom ler seus textos, Leila! Esse, por exemplo, nos mostra que, muitas vezes, está tão próximo a nós, a paz e o encantamento de viver, que não precisamos buscar longe demais! Do virtual ao real, excelente reflexão de vida! Valeu!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Equilíbrio perfeito entre a bagunça do quarto, o quartel-general do mundo e tua bela e suave escrita!
    Adorei! Uma reflexão necessária nestes tempos de tanta futilidade.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Está aqui e isso é o mais importante.
    Já tinha estranhado pois, desde 15 Outubro, dia do meu aniversário que vinha e nada de novo.
    Seja benvinda!

    ResponderExcluir
  6. Oi, Leila, como sempre você é impecável. Quando li sobre as redes sociais até me deu um frio... E pensei: como estou certa.
    Tua personagem se bastava, mesmo na desordem encontrava a paz. Aliás, para ter paz qualquer coisa serve, mesmo um quartinho dinamitado! A cabecinha é que manda.
    Grande beijo, amiga.

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço