domingo, 30 de junho de 2013

Novela mexicana





Novela  mexicana


Todo dia, tudo de novo. A grande luz desponta no horizonte e lá vamos nós, pequenos soldados, começar tudo outra vez. Levantar, trabalhar, estudar, se alimentar, conversar, discutir, caminhar, dirigir, escutar, falar, pagar, comprar, descansar (de vez em quando), amar, se divertir, dormir e novamente acordar. 

Os verbos não mudam muito. Só os dias é que são novos. E por isso, capazes de renovar em nós o ciclo do cotidiano. No fundo nossa vida nada mais é que um punhado de dias a nosso inteiro dispor. Páginas em branco que formarão a nossa história amanhã. 

O fato é que já nos acostumamos tanto com esses dias que não nos surpreende mais. Temos tanta certeza de que amanhã o sol vai nascer que acabamos deixando muitas coisas para amanhã. Mesmo sabendo que não temos nenhuma garantia de estarmos vivos amanhã. Viramos a folha do hoje quase em branco a espera de um amanhã mais corajoso que nos faça começar aquilo que estamos protelando há muito tempo. 

Protelar, arrumar uma desculpa, um álibi que nos mantenha confortáveis na poltrona de vítima das circunstâncias por mais algum tempo. É isso que fazemos com os nossos dias. E fazemos muito bem! Fazemos tão bem que até nós mesmos acreditamos nas nossas próprias mentiras. Conseguimos convencer a nós mesmos que as nossas desculpas para não agir são verdades absolutas. E assim conseguimos transformar dias, semanas, meses e anos em nada.

Tal qual uma novela mexicana, remoemos velhos guardados que não vão nos acrescer em absolutamente nada; apegamo-nos em fatos que já se foram e ficamos agarrados ao passado como se este pudesse vir à tona e acontecer de novo. Páginas que não foram viradas, passados mal resolvidos que emperram nossas vidas de acontecerem.  Esquecemo-nos de que hoje o contexto é outro, o cenário é outro e nós não somos os mesmos de ontem. 

Não precisa que escrevamos um livro a cada dia com a nossa história, mas é preciso fazer nossos capítulos. Uma palavra, uma decisão, uma atitude e todo o resto pode ser completamente diferente. Não importa quanto nos resta de tempo para usufruir a vida, importa o que vamos fazer com este tempo.

Aquele curso interessante, a academia, a consulta no especialista, a viagem dos sonhos, a carreira, a visita àquele amigo querido, a aventura com o filho, o último livro que você ganhou... Enfim, a nossa lista de perdidos no esquecimento é gigantesca! Qual será o tamanho da fila de espera de nossas vidas?

Conheço pessoas idosas cheias de vigor e jovens vazios de viver. A idade cronológica não determina nada na intensidade da vida. É preciso muito mais que tempo para usufruir com dignidade a oportunidade de nossa existência. É preciso amar o fato de estar aqui, presente neste instante, neste lugar, nestas circunstâncias. 

É triste ver um jovem morrer, sempre imaginamos o quanto ele ainda teria para fazer nesta vida. Mas é mais triste ainda ver pessoas envelhecerem sem terem experimentado, sem terem sequer tentado, ou seja, sem terem realmente vivido.

Leila Rodrigues
Imagens da internet
Publicado no Jornal Agora Divinópolis em 07/05/2013

10 comentários:

  1. Que maravilha!
    É sempre um prazer vir aqui,Leila, pois você sabe cutucar com vara curta, desafiando nosso comodismo, a ponto de saltarmos da poltrona cheios de argumentos, na defensiva, para então entendermos que você está plena de razão!
    Quantas vezes não protagonizamos uma novela mexicana e pensamos que estamos indo bem? Poxa, hora de acordar para novas cenas!
    Adorei, você salvou minha semana :)

    Beijão!

    ResponderExcluir
  2. Passo per augurarti un bell'inizio settimana.
    Un abbraccio e buone vacanze!
    Incoronata

    ResponderExcluir
  3. Muito egal e verdadewiro,leila! Apenas passar pela vida, ocupando espaço sem realmente viver, nem dá pra pensar! E tá cheio de gente que assim é!

    Ja se pode ver quando perguntamos todas alegres:
    _ E aí, tudo bem?

    E lá do outro lado chaga a resposta:
    _ Vou viveeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeendo! (Isso com voz de tumba,já)

    Putz, não há saco que aguente,rs beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Leilamiga

    Belíssimo texto! Muitos parabéns. E tem tanta qualidade que me permito transcrever a sua parte final: É triste ver um jovem morrer, sempre imaginamos o quanto ele ainda teria para fazer nesta vida. Mas é mais triste ainda ver pessoas envelhecerem sem terem experimentado, sem terem sequer tentado, ou seja, sem terem realmente vivido.

    É triste realmente - mas é a vida... As rosas são belas, mas e os espinhos?

    Há bastante tempo que não vais à nossa Travessa... E, agora, abri-a a colaboradoras/es. Faço-te, portantos (sem s) o convite para seres mais uma, porque escreves muito bem! Tá? Responde, sff. Obrigado

    Qjs

    Henrique


    ResponderExcluir
  5. Lindo texto, é bom para refletir o que estamos fazendo de nossas vidas. E o que de importante estamos deixando de lado.

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde, Leila. Muito boa a sua crônica, Leila.
    Deixamos a vida passar, protelamos sim, e quando vemos, o fantasma do desespero, da idade, toma um vulto tão grande, nos consome, que ainda mais ficamos paralisados colocando a culpa das nossas frustrações nisso ou naquilo, como você bem disse, sem ao menos tentarmos!
    Parabéns!
    Beijos na alma e paz!

    ResponderExcluir
  7. Leila lindona!
    Tudo bem?

    É verdade, não consideramos que a vida é um processo em desenvolvimento, que existe um passado que nos constitui, mas não pode ser o centro de nossas atenções e oportunidades; e que o temos que visualizar o futuro, mas vivermos e nos agarrarmos mesmo ao que nos constitui no hoje. Nossa vida é agora.

    Excelente crônica!
    Grande beijo e ótimos dias!

    ResponderExcluir
  8. oi amiga linda,

    Tudo bem? Sempre me encanto com os seus textos!

    Entendo que o presente é o passado que deu certo, mas vejo-o em movimento, permitindo o acolher dos desafios e de uma nova realidade.

    Beijos e saudades!

    ResponderExcluir
  9. A vida é para ser vivida intensamente, saber desfrutar cada momento como se fosse o último!
    Viver, não é apenas existir!...

    Beijos,
    AL

    ResponderExcluir
  10. As maiores frustrações têm sua origem no não tentar. Esse infeliz hábito de pensar que temos muito tempo contribui para que adiemos prazeres e alegrias. Vive bem quem, com responsabilidade, continua a caminhar, sem olhar para trás. Bjs.

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço