terça-feira, 16 de setembro de 2014

Amarelado




Eu sempre deixava o meu carro no estacionamento da Av. Brasil e caminhava a pé duas ou três quadras até chegar ao meu trabalho. As árvores davam um aconchego, uma sombra gostosa e uma ilusão de que eu estava rodeado de bons ares. E quando chegava o outono eu tinha pena de pisar nas folhas secas. Eu achava injusto pisar naquelas mesmas folhas que me agraciaram quando jovens. Nunca contei isso para ninguém, mas muito provavelmente alguém deve ter visto um maluco se desviando das folhas em plena Rua Coronel Bartolomeu. De todas as loucuras que eu cometi na vida, e olha que eu cometi muitas, esta era a mais consciente e que me dava mais prazer. E quando vinha o lixeiro e levava todas as folhas eu me despedia delas e agradecia pelos dias de frescor.
Naquele outono a minha tristeza era tamanha que eu sequei junto com as folhas. Não me sobrara quase nada a não ser o Juvêncio meu vira-lata muito amado e minha casa. Francesca se fora e Cazuza também. Francesca foi viver outros amores, Cazuza foi cantar no céu. E eu andava cabisbaixo pelas ruas secas da cidade. Faltava-me um rumo, mais que isso, uma razão. O ser humano precisa de razões, nem que seja para perdê-las e eu não tinha nenhuma.
Ainda sem razão eu peguei a estrada. Era sábado, ventava um pouco e não foi difícil reconhecer que tudo ao meu redor era seco. Cheguei a pensar que o mundo estava compadecido das minhas tristezas. Imaginei a chuva, a primavera e as folhas de volta. Assim que eu fiz a curva da baixada, aquela onde eu e o Beto sempre parávamos para um cigarro e uma prosa, ele apareceu na minha frente. Gigante, resplandecente como o sol do Egito! Era o primeiro ipê da temporada. Levei um susto e freei na hora. Encostei o carro e fiz questão de sentar bem debaixo daquela copa dourada. Não sei precisar quanto tempo fiquei ali parado, contemplando o colorido do momento. O ipê parecia afrontar a minha alma cinza com tanta cor. Em volta tudo estava seco, eu inclusive. E ele insistia em resplandecer sereno. Tive vontade de engolir suas flores, uma por uma. Quem sabe eu devolveria um pouco de cor à minha alma? Quem sabe assim "colorido", Francesca me amaria de novo? Que nada! A esta altura, Francesca e Cazuza eram folhas secas que seguiam novas missões. 
Tem gente que diz que amarelo é cor de desespero. Eu não penso assim. Desde aquele ano, todo mês de agosto eu me renovo com o colorido dos ipês. E toda vez que eu fico "seco" eu ouço Cazuza e visto a minha camisa amarela.

Leila Rodrigues

Publicado no Jornal Agora Divinópolis em 16/09/2014
Imagem cedida pela amiga Sandra Soraggi (uma querida que assim como eu, adora ipês)

7 comentários:

  1. "O ser humano precisa de razões, nem que seja para perdê-las e eu não tinha nenhuma."

    É encantador ler você!

    muahhhhhhhh, minha amiga linda!

    ResponderExcluir
  2. Para mim, não há nada mais significante que nos encantarmos com a natureza que se descortina diariamente entre nós. Ipês, então são soberbamente belos!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Leila bom dia ! Acabei de ler um dos textos mais belos, também sou apaixonada pelos ipês, amo esta época do ano... a natureza abençoa nossos dias colorindo a vida que já é tão bela!
    Bjus primaveril
    Clarice

    ResponderExcluir
  4. Também sou apaixonada por Ipês...
    Fiquei encantada com seu texto!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Que lindas razões você tem com o amarelecer do Ipê amarelo.
    Amei a sua crônica como sempre deliciosa de se ler.
    Bjs.
    Boa tarde iluminada.

    ResponderExcluir
  6. Oi Leila!
    Uma pessoa apaixonada como você pelas plantas a ponto de respeitar até a morte das suas folhas, só pode ter crescido no meio delas.
    Aqui em casa, os Ipês brancos florescem primeiro, depois o amarelo e em seguida o roxo.
    A cor amarela para muitos povos, como o americano, é a esperança na volta de desaparecidos, soldados na guerra...
    Seu texto é perfeito!
    Abraços e boa semana!

    vitornani.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Olá, Leila.

    A vida por vezes descolore e intenta nos descolorir. Mas a alma amadurecida nos embates do existir, sempre guarda um restinho de cor que ninguém pode roubar: Um pouco do verde esperança, um tanto de azul fé, uma poção de vermelho força e outras tantas pitadas de branco, amarelo, dourado, prata...

    Um abração e uma boa semana.

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço