domingo, 20 de julho de 2014

Pelo fim das listas




Ontem encontrei a Glorinha. Boa pessoa ela! Tranquila, sempre em busca de alguma coisa melhor.  Ela se queixou que queria procurar um emprego melhor, pois já estava no mesmo emprego há muito tempo. Também comentou que queria fazer uma atividade física porque já estava acima do peso. Indiquei alguns nomes e ficou nisso.
No carnaval também encontrei a Glorinha e ela contou que ainda não havia começado nada porque janeiro tinham sido férias e ela resolvera esperar o carnaval. Passou o Carnaval e ela enxergou que a semana santa estava próxima (só ela enxergou isso) e preferiu esperar para começar depois da semana santa. Mas aí maio começou com feriado prolongado e em seguida foi o aniversário dela (que na cabeça dela também virou um feriado prolongado) e quando ela percebeu já era a copa.
Então, segundo a última estatística da Glorinha, já que a copa acabou no meio do mês, em agosto ela vai procurar emprego, iniciar uma dieta, praticar atividade física e... Viver.
A Glorinha não sabe ainda, mas esse encontro foi muito importante para mim. Estou até agora questionando meu lado "Glorinha" pelas coisas que eu me prometi fazer e não fiz. Inglês, Pilates, natação, poupança, visitar fulano, ler o livro tal, enfim todos nós temos uma lista de coisas que colocamos na fila de espera de nossas vidas. O problema é que a fila não anda! Sequer rasteja!
Será que é mesmo por livre e espontânea vontade que fazemos essa “pseudolista” de promessas ou será que é para atender a uma sociedade que exige que sejamos tudo isso? Talvez seja para provar para nós mesmos que somos muito bons e que um dia daremos conta de tudo. Ou também pode ser que acreditemos que ao fazer a lista, as coisas aconteçam por osmose. Só pode ser!
A Glorinha mexeu tanto comigo que depois de dialogar muito com a minha lista eu tomei três atitudes. A primeira foi riscar a metade das minhas promessas que de cara eu percebi que jamais ia cumprir. A segunda foi resolver umas três coisas que eram primordiais. E a terceira atitude foi olhar para o resto da lista e colocar um pouco de razão e atitude em cada item.
Vamos ver se agora a Glorinha resolve. Ela, eu, você, o meu vizinho, a nossa cidade e este país inteiro que até agora ficou parado esperando a próxima festa. Porque de boas intenções e grandes listas ninguém sobrevive, ninguém cresce, ninguém chega a lugar nenhum.

Leila Rodrigues

Imagem da Internet
Publicado no Jornal Agora Divinópolis em 15/07/2014

11 comentários:

  1. ...eu nunca fui de fazer planos porque geminiana que sou, é claro
    que mudaria a rota de todos eles num simples pestanejar de olhos...o que me fez e faz até hoje é a ousadia e o não medo de tropeçar nas calçadas da vida, e assim tem dado certo até aqui! bjs alma linda!

    ResponderExcluir
  2. Que legal te ler!
    Eu faço listas pra tudo, porém de coisas que preciso lembrar, comprar, horários,etc.

    Mas nas minhas listas nunca tenho o que pretendo fazer. Simplesmente faço, sem listas e quando a vontade aparece!!! beijos praianos,chica

    ResponderExcluir
  3. É verdade rs rs... melhor não fazer nenhuma lista, Leila. A gente quase não cumpre. Melhor não fazer lista, assim o que gente for fazendo naturalmente, vai sendo mais sucesso
    do que atender uma pré-lista... que a gente quase nunca obedece. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Gostei e ri muito... Ah! Avise a Glorinha que agora é a festa das eleições e tudo fica em recesso... claro que a lista também... Agora, no meu estágio de vida, aboli as listas e agendas e faço quando e como quero... é premio da maturidade!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. rssss, tá ótima a Glorinha! Glorinha está em todos nós, queremos, prometemos e vamos empurrando... Mas assumo meu lado Glorinha, faz parte da vida, não quero ter um lado muito pesado, e como disse a Célia, merecemos algo na maturidade: uma certa displicência...

    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  6. Eita. Essa Glorinha se parece comigo.
    Lindo texto . Agora tenho mesmo que não prometer nada e não fazer lista nenhuma.
    Lindos dias para você. bjs.

    ResponderExcluir
  7. Todos nós, ou quase todos, temos o amanhã como meta para começar.
    É bom que que seja a
    tempo, pois anda tão rápido que, quando olhamos, o amanhã já foi ontem.

    ResponderExcluir
  8. É importante ter lista para ser seguida, mas se for muito grande fica mais difícil e acaba por não realizar.
    Achei graça na lista da Glorinha.
    Vou até refazer minha lista.
    rs
    Xeros

    ResponderExcluir
  9. Leila querida!
    Demorei, mas cheguei :)
    Estava numa breve pausa no blog, que na verdade, seguirá com um pouco mais de pausa, mas faço as visitas.

    Sou do tipo que faz listas, mesmo sabendo que isso representa um apego nem sempre bom. Também protelo a execução dos itens listados... a vida é doida mesmo e inesperada. Um tanto de variáveis incontroláveis, as ditas 'surpresinhas' que nos fazem correr em contra-mão. Mas pelo meu jeito de ser, prefiro listar coisas, pois dá uma certa legitimidade.
    Adorei tua crônica! Interessante, oportuna e diria mais, feminina :)

    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  10. Sebe que eu aponto tudo isso numa pedra de Gelo?
    Resulta sempre, não tenho trabalho ela apaga por mim.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  11. As listas me ajudam a organizar meu dia...
    Beijo Lisette.

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço