quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Até que a vida nos separe





E foram felizes para sempre... Seria lindo, não fosse o fato de que, na vida, pode ser que o "para sempre" tenha hora para acabar. Prazo de validade implícito. Acordos feitos na ilusão dos holofotes que se perderam na calada dos dias frios e comuns.
Então, para não correr mais o risco de me riscar toda como já fiz, vou acertar algumas arestas comigo, enquanto ainda estou no "feliz agora e por nada" como nos diz Martha Medeiros:
Eu sei que daqui a pouco você vai aparecer na minha vida. Por isso mesmo e antes mesmo que você chegue eu preciso acertar algumas coisas com você e claro, comigo. É que já passaram tantos, e por falta de um acordo racional, nos perdemos na ilusão e deu tudo errado.  Então, para não correr o risco de ser tudo em vão, vamos fazer um trato.
Primeiramente vamos trocar o “prometa” pelo “comprometa”. Eu me comprometo e você se compromete, sem promessas, sem cobranças no final.
Se comprometa que “até que a morte nos separe” seja até que a vida separe nossos interesses, nossos objetivos, nossos planos juntos?  E eu me comprometo que “eterno” será enquanto houver brilho nos seus olhos e no meu.
Se comprometa que na saúde, na doença, na pobreza e na riqueza sejam apenas situações que permearão nossas vidas e não nossos sentimentos?  E eu me comprometo que na riqueza ou na pobreza, na saúde e na doença significará também quando o cartão de crédito estourar, quando um de nós dois for demitido ou quando nosso filho adoecer e precisarmos vender a casa para pagar o tratamento.
Se comprometa que “ser fiel” é ter respeito pela pessoa humana que te acompanha, respeito às suas escolhas, ao seu jeito à sua forma de ver o mundo. E eu me comprometo a retribuí-lo com a mesma fidelidade e respeito.
Se comprometa que a cada café da manhã apressado que tomarmos juntos você não vai reparar que a minha pele não será a mesma de ontem? E eu me comprometo que haverá sempre uma surpresa, um mistério, um novo e desafiador encanto.
Se comprometa a ser feliz e a jamais parar de lutar por isso. Se comprometa de que a sua felicidade dependerá de você e não de mim. E eu me comprometo a ser a pessoa mais feliz do mundo, por ter escolhido ser eu mesma e por ter você comigo!
E se a morte ou a sorte nos separar, que nós possamos dizer tranquilos que “foi eterno enquanto durou”.


Leila Rodrigues

Publicado no Jornal Agora Divinópolis em 14/01/2014
Imagem da internet

6 comentários:

  1. Primeiramente vamos trocar o “prometa” pelo “comprometa”. Isso já resumiria bem esse belo texto. Parabéns mais uma vez. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. A troca de verbos já elucida a parceria e a cumplicidade que deve existir em uma relação. Desde que:... "Se comprometa de que a sua felicidade dependerá de você e não de mim."
    Sensacional!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo e propício pra n´[os que completamos 45 anos de casados ontem...bjs praianos,chica

    ResponderExcluir
  4. Olá, amiga. Bom dia! Bom domingo! O texto é perfeito e real nos dias de hoje. Concordo com Célia, pois desde que se comprometa de que a sua felicidade dependerá de vc e não de mim. Adorei! bjos e muito carinho sempre. adorei também a visita!

    ResponderExcluir
  5. Seria tão bonito se a vida fosse assim.
    Mas nada é assim, as promessas são vãs e comprometer, não está na moda!

    ResponderExcluir
  6. Voltei para ler, vale a pena!
    Um beijo

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço