domingo, 18 de agosto de 2013

La belle de jour




Onde está a beleza? Na perfeição das curvas? No frescor da mocidade? Ou seria na precisão de uma produção bem feita?
A beleza pode estar na perfeição, mas não sobreviverá a ela. O conceito de beleza é muito relativo, principalmente para quem já passou dos 17 anos.
Naquela tarde de inverno, eu aprendi que a maquiagem mais perfeita que uma mulher pode usar no rosto é a autoestima. Aprendi que a verdadeira beleza transcende às formas... E voltei para casa querendo ser igual a ela.
Sem pretensão nenhuma ela chegou à festa. Seu olhar alegre dizia a todos o quanto ela gostava da vida e o quanto a recíproca era verdadeira. Sem muito que explicar.
Ela não trajava o melhor vestido, não calçava o melhor sapato e nem tinha as curvas mais perfeitas da festa. E cá entre nós, isto para ela não fazia a menor diferença. Misturava-se às outras sem a menor cerimonia. Não era a mais velha, nem tampouco a mais nova.  Não queria mostrar nada e nem precisava esconder nada de ninguém. 
E ainda assim ela se destacou das demais. Marcou presença por onde passou. Deixou seu rastro em cada roda de conversa que chegou. Não foi seu perfume que ficou no ar, nem a marca da bolsa cara que ela não usou. Deixou em todos a vontade de continuar um pouco mais a seu lado, de usufruir mais da sua doce companhia. 
Comeu com gosto e bebeu com prazer. Cumprimentou com verdade e desejou com o coração a cada vez que apertava a mão de um conhecido ou que abraçava um amigo. Não seguiu nenhuma cartilha, não ateve-se aos clichês, apenas representou o seu mais genuíno papel, si mesma. 
Usou o melhor de si e obteve o melhor de todos. Seus gestos, falas e sorrisos substituíram perfeitamente quaisquer aditivos que outra mulher pudesse ter escolhido para aquela tarde. Suas atitudes ditaram suas intenções, seus anseios e percepções sobre o mundo à sua volta. Falou do que entendia, riu e aceitou o que não entendia muito bem. Não ostentou nem se intimidou. Ocupou apenas o seu espaço e por isso mesmo roubou a cena.
Não foi para ser vista, foi para viver. E viveu cada minuto. E experimentou a delicia de estar, sem se preocupar com a nota que a mulher ou o homem do lado lhe daria. Preocupou-se apenas em se divertir, em ser a pessoa que sempre foi.
... E contrariando todas as outras supostas concorrentes, aquela que nem concorria, acabou sendo eleita por todos, a mais bela da tarde!




Leila Rodrigues
Imagem da Internet
Publicado no Jornal Agora Divinópolis em 13/08/2013

8 comentários:

  1. Lindo e inteligente a opoçõa feita por ela. Adorei! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Lindo e inteligente a opoçõa feita por ela. Adorei! beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Que bonito! Esse sim é o verdadeiro conceito de beleza. beijos e parabéns pela visão.

    ResponderExcluir
  4. Adoro seus textos!
    Ser você mesma em todos os momentos é uma coisa que não tem preço!

    ResponderExcluir
  5. Leilamiga

    Mais um belíssimo texto que aplaudo com entusiasmo. Ocupou apenas o seu espaço e por isso roubou a cena é lindo, lindíssimo, lindérrimo. tu escreves muito bem. Parabéns!

    Qjs

    Henrique
    ______

    Quando voltas à nossa Travessa?

    ResponderExcluir
  6. Que beleza de texto!Escrevestes lindamente.Tens razão, a beleza está na simplicidade de ser o que se é, sem máscaras, rosto limpo e um coração pleno de vida.Bjs Eloah

    ResponderExcluir
  7. Olá, Leila.

    A verdadeira beleza é imaterial e não costuma aparentar. O ser, dispensa máscaras e adereços.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  8. Leila lindona!
    Belo texto também.
    'A bela da tarde', filme clássico.
    Pois, sim, a verdadeira beleza é a da dignidade, quando subimos ao palco da vida para sermos nós mesmas, sem máscaras. Com respeito próprio, assim a mulher conquista seu mundo, ao viver seu próprio tempo-eu como ela mesma é.

    Beijos e ótimos dias!

    ResponderExcluir

Obridada pela visita. É muito bom ter você por aqui!
Fique à vontade para deixar o seu recado.
Volte sempre que quizer.
Grande abraço